crise

Basta cumprir a Constituição

Imprimir

No Fórum Nacional de 21 e 22/09, direi que, sozinha, a Pec do Teto dos Gastos é um remendo difícil de se sustentar. Primeiro, porque o peso dos gastos cortáveis é cada vez menor. Descontada a inflação, a União projeta cortar o investimento em 71%, entre 2014 e 2018.

Já São Paulo, Estado líder, deve cortar o seu pela metade. Ou seja, em breve, vão zerar. É simples: quando vários itens têm crescimento liberado, fixar um limite para o gasto global é inútil.

A hipótese de o Teto prevalecer em prazo mais longo, sob o efeito de reformas de regras como a da Previdência, acaba de se mostrar também com pouca chance de acontecer. Como as reformas tendem a ter foco no ajuste do Regime Geral, onde é maior o peso das classes de renda mais baixa, há sempre enorme resistência política a aprová-las.

Enquanto o mundo estiver muito favorável ao Brasil, ok. E se a onda virar?

Para se preparar para isso, é preciso entender, primeiro, que os governos enfrentam a confluência de um problema conjuntural e outro estrutural. Sozinha, a resolução do segundo não equaciona necessariamente o primeiro. E este, por definição, é mais urgente.

Diante da brutal recessão, sem caixa herdado e ante gastos ultra rígidos, os entes públicos que não emitem moeda (Estados e Municípios) só têm a saída de atrasar pagamentos. Algo extremamente impopular, e que não se sustenta até o final dos mandatos.

Por Lei, ao passá-los adiante — algo que ocorrerá ano que vem, no caso dos Estados –, esses entes têm de zerar as dívidas decorrentes de atrasos. Se não, em tese, dá prisão. Já os municípios, como acabam de iniciar os últimos mandatos, conseguem empurrar o problema um pouco com a barriga.

Enquanto isso, a União dribla esse problema por um tempo, emitindo moeda a rodo. Depois, alguém terá de dar um basta ou a hiperinflação volta.

Minha visão do problema estrutural é diferente da convencional. Em vez de se limitar à evolução do gasto total com pessoal, é preciso setorializar a análise. Aí se verá que o orçamento é cheio de “donos”, donos esses que se recusam a pagar dois itens de peso, “Inativos & Pensionistas (I&P)” e “Contribuição Patronal”, mandando a conta para o titular dos respectivos Executivos, exatamente quem herda o orçamento residual.

No Rio, Estado em maior dificuldade, os “donos” abocanharam 74% da receita corrente que ficou em suas mãos em 2016 (inclusive outros gastos incomprimíveis), sobrando muito pouco para as demais obrigações.

Em parte, a pista para a saída está na própria Carta Magna. Apesar de os Arts. 40 e 249 mandarem equacionar a previdência pública, pouco se tem feito além de divulgar passivos atuariais gigantescos todos os anos.

A própria União, que deveria dar o exemplo, está totalmente atrasada nessa tarefa. A Carta manda constituir um fundo previdenciário e lá colocar todos os ativos e recebíveis que forem possíveis, zerando depois o Passivo Atuarial com contribuições suplementares dos servidores e do ente público.

Além disso, é preciso impor aos “donos do orçamento” que paguem suas próprias despesas com Inativos e Pensionistas (I&P) e seu quinhão nas contribuições patronais. Para isso, terão de cortar outros gastos, exatamente onde haverá mais folga para tanto.

O princípio é simples: se os servidores conseguem aposentadorias tão elevadas, eles e seus patrões diretos têm de pagar mais por elas.

Para fechar o caixa no curto prazo sem ficar sempre mendigando recursos à União, os entes subnacionais precisam constituir fundos de investimento acoplados aos fundos de pensão. A aquisição de quotas desses fundos por órgãos como o BNDES, que talvez seja inevitável no curto prazo, tem a vantagem de fornecer os recursos requeridos para equacionar os caixas respectivos ao liberar recursos que seriam usados para pagar a conta das aposentadorias e pensões, mas sem afetar a dívida pública líquida (ou o resultado primário).

Isso se dá porque as quotas desses fundos servirão de lastro à emissão de dívida pública que suprirá os recursos. Dívida essa que, no caso do BNDES, já foi até emitida em anos anteriores, implicando que nem mesmo um novo aumento da dívida bruta tenderá a acontecer num primeiro momento.

Em última análise, o que se quer é abrir espaço para o investimento crescer, e com isso viabilizar a saída da recessão e um maior crescimento sustentável do PIB no futuro. Nesse sentido, há algo mais a fazer no que concerne às concessões de infraestrutura, especialmente as rodoviárias, tema permanente nos últimos Fóruns Nacionais e mais uma vez objeto de um painel específico no que vem à frente.

Aqui, o populismo tupiniquim produz um forte viés contra o investimento privado que precisa ser removido, apesar do anúncio de planos e mais planos requentados, com efeitos para além do mandato atual.

E é lamentável que os Executivos, com todo o poder que detêm, não consigam convencer os órgãos de fiscalização de que, no atual quadro fortemente recessivo, as ideologias anti-privado têm de ser abandonadas em favor da volta dos empregos.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais