crise

No BC, Ilan vai provar teoria da queda dos juros

Imprimir

Antes de ser confirmado como presidente do Banco Central, o então economista-chefe do Banco Itaú previu que a taxa Selic começaria a baixar dos atuais 14,25% ao ano para 13,75% ao ano na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) em 20 de julho. E até dezembro de 2016, a taxa seria reduzida a 12,15% ao ano, queda de dois pontos percentuais no 2º semestre.

Ilan Goldfajn, de 50 anos, cuja nomeação deve passar pelo crivo do Senado até o fim de junho, conhece bem os meandros do Banco Central e do Copom. Foi diretor de Política Econômica entre 2000 e 2003, na gestão de Armínio Fraga. Devido à demora na troca de guarda dos diretores da instituição, trabalhou alguns meses com Henrique Meirelles quando este assumiu a autoridade monetária no governo Lula.

Apesar do compromisso do novo governo de atacar para valer a questão fiscal – com cortes dos gastos correntes (enxugamento da máquina pública, que inclui os bancos oficiais, como o Banco do Brasil, com 9 vice-presidentes que ganhavam R$ 58.355 mensais e 27 diretores com R$ 49.457 mensais, e CEF) e reformas estruturais, como a da Previdência – quando estiver no comando do Copom Ilan terá de pôr à prova a certeza para baixar os juros, que aliviaria os custos financeiros de rolagem da dívida do Tesouro, empresas e famílias.

No cronograma previsto por Ilan Goldfajn na última carta econômica do Itaú, em 31 de agosto o Copom cortaria novamente os juros em 0,50 ponto percentual para 13,25% em 31 de agosto. Em 19 de outubro haveria novo corte para 12,75% e na última reunião do ano, em 30 de novembro, a taxa cairia para 12,25%. Para 2017, a Selic cairia até 10,25%. Quatro pontos em 18 meses. Agora, é ver se a teoria se confirma na prática. Tudo dependerá da marcha da inflação e da evolução da área fiscal.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais