eleicoes-2018

Bolsonaro não é apenas antipetismo. É um outro Brasil

Imprimir

Um reducionismo comum nas eleições 2018 é creditar o protagonismo de Jair Bolsonaro (PSL) exclusivamente ao antipetismo. Por este viés, o capitão da reserva apenas personifica a oposição ao PT.

A carapuça interessa aos dois principais contendores no pleito hodierno. Ao próprio e a seu principal adversário, Fernando Haddad (PT), escolhido por Lula para representá-lo diante dos eleitores.

Para Bolsonaro é oportuno ser visto como o único capaz de impedir nova ascensão petista ao poder, pois agrega em torno de si a massa antipetista. No caso de Haddad, a motivação é mais ampla.

O receio em relação ao candidato do PSL, que atingiu 46% de rejeição na última pesquisa Datafolha, vai além do lulismo. Bolsonaro, por nunca ter ocupado o Executivo, configura-se uma incógnita maior do que a do PT.

O PT no poder não é um desconhecido. Pode representar a volta da esquerda conservadora, que prega receitas recessivas com espasmos de prosperidade mas sem soluções duradouras & que flerta com o autoritarismo, mas não será uma surpresa completa.

No poder, o PT sempre adotou ao extremo o pragmatismo político com o intuito de se manter no comando eterno da Nação. Para tanto, amalgamou-se com os mais reles dos políticos desde que tivessem votos.

Mundo plural

Diferente do lulismo, mais sofisticado ideologicamente e flexível politicamente, o bolsonarismo não tem experiência alguma no poder. Resume-se ao voluntarismo de um personagem tosco.

Bolsonaro é uma incógnita maior. Pode adotar a agenda liberal de seu guru econômico, Paulo Guedes. Ou não.

Lula, que será o presidente oculto do Brasil – a menos que a criatura se rebele contra o criador como fez Dilma Rousseff (PT) -, deverá aperfeiçoar o modus operandi. Talvez seja mais inflexível, mas provavelmente manter-se-á politicamente pragmático.

Como política não é linear, Bolsonaro, em que pese ser um político mal-acabado, representa estamentos expressivos da sociedade brasiliana. Há lideranças intelectualmente preparadas à direita, mas sem a capacidade de arregimentar multidões.

Desprezar esta evidência é afrontar a complexidade social e política do Brasil. As mudanças profundas pelas quais passa o mundo todo após o cataclismo que sepultou a sinistra afligem todas as democracias.

À dualidade EUA x URSS que predominou no século XX sobreveio a pluralidade de pensamento do século XXI. Como este novo mundo está em formação, vivenciamos as dores do parto.

O que antes seria uma anormalidade, passa a viger como normalidade, por mais espanto que provoque.

Assim, vemos gays de direita. Banqueiros de esquerda. Cristãos abortistas. Direita e esquerda estatizantes. Esquerda e direita liberais.

Bolsonaro representa uma parcela expressiva dos brasileiros que defendem valores tradicionais e soluções distintas daquelas apregoadas pelo PT. Ele pode não ser o melhor representante, mas é o que está à mão.

Outro Brasil

Entre outras características, seus simpatizantes cansaram-se do Estado gigamenso e opressor. Cansaram-se do culto à miséria e a criminalização da riqueza. Cansaram-se de leis que sobrecarregam empresários.

Cansaram-se dos militantes de direitos humanos, majoritários na mídia, que pregam a vitimização de marginais e a demonização das polícias. Cansaram-se de professores doutrinadores e que bloqueiam o pensamento direitista.

Cansaram-se da pregação em favor do aborto, quando a maior parte da população é contrária à sua liberação. Cansaram-se do desprezo com valores cristãos tradicionais.

Cansaram-se da política como meio para a ladroagem.  Cansaram-se do partido que tolera corrupção no seu quintal, mas condena a ladroagem do vizinho.

Cansaram-se do politicamente correto. Cansaram-se, enfim, de ver um partido fazer do Brasil uma extensão de seus diretórios.

Provavelmente esta parcela de brasileiros está iludida ao eleger Bolsonaro como a redenção de suas vidas. Certamente muitas são as contradições dentro desta multidão que pode chegar a um terço dos brasileiros.

Não interessa. Os que veem Bolsonaro como o messias vão além do antipetismo, pois vêm o mundo de um jeito diferente independente do candidato.

Se a academia não fosse dominada pelo pensamento da sinistra estaria agora pesquisando esta imensa diversidade ideológica e comportamental do Brasil. Na ciência, quando se pesquisa, pode-se desprezar o pesquisado, mas não o ignorar.

Brasil das divergências

O advento sólido da democracia, parida há 33 anos, promoveu tamanha liberdade que expôs uma sociedade complexa e altamente heterogênea. Esquerdistas podem não gostar de direitistas, e vice-versa, mas todos são legítimos.

A disputa política, potencializada em ano eleitoral e aliada a uma economia convalescente, encobre a pluralidade de opiniões. Vivemos num mundo plural, mas ainda o encaramos como se houvesse apenas dois lados.

Enfim, questão prenhe de questões.

O lado saudável desta catarse em que se transformaram as eleições é que ela só é possível em regimes democráticos. Haddad e Bolsonaro representam Brasis divergentes, mas legítimos.

Nossa tendência ao pessimismo se justifica, mas a pujança do Brasil reside justamente nesta miríade de posições divergentes, oposta ao pensamento único. Quem presidir o Brasil a partir de 2019 governará com mais sabedoria se perceber que não existe só um Brasil.

Existem vários Brasis. Pretender adotar uma receita consensual será infrutífero e prolongará a agonia que nos fez encalhar numa depressão econômica, política e moral sem precedentes. O caminho é optar pelo pensamento majoritário, mas sem desprezar as minorias.

Se quiser pacificar o País – não no sentido de acabar com as divergências -, o governante sábio terá que ser maior do que seu partido. Convencer-se de que o mundo está em transição, esquecer das fórmulas de manuais e entender que seus adversários também são brasileiros.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Intelectuais atiram em Bolsonaro, mas acertam no PT


A ascensão de Jair Bolsonaro à Presidência da República provocou histeria nos intelectuais da chamada esquerda. Diante da desconcertante simplificação da realidade por parte do capitão reformado, a elite acadêmica tem reagido com espasmos carentes de razão.

Ler mais

Menos violência & mais emprego, as armas de Bolsonaro


O capitão-mor Jair Bolsonaro vem antecipando, há quatro semanas, as políticas públicas do País a partir de 1º de janeiro, quando assumirá a presidência da República. Suas entrevistas e monólogos virtuais têm indicado o rumo para o meio ambiente, a política exterior e até a formulação das provas

Ler mais

Intelectuais atiram em Bolsonaro, mas acertam no PT


A ascensão de Jair Bolsonaro à Presidência da República provocou histeria nos intelectuais da chamada esquerda. Diante da desconcertante simplificação da realidade por parte do capitão reformado, a elite acadêmica tem reagido com espasmos carentes de razão.

Ler mais

Mudanças regimentais contra o kit obstrução


Os partidos da base de apoio do governo Bolsonaro vão apresentar duas condições para apoiar um candidato para presidente da Câmara: a) identidade programática com a agenda governamental e b) disposição para promover mudanças no regimento interno e reduzir a capacidade de obstrução da oposição

Ler mais