brasil

Bolsonaro não quer aprovar a Nova Previdência ou não sabe articular?

Imprimir

A briga com o Parlamento não interessa a quem quer aprovar a reforma da previdência. Já para quem quer rejeitá-la, faz muito sentido

 

                                                                                                                                                          Itamar Garcez *

 

O entrevero entre os presidentes da República e da Câmara – e, por extensão, com o Parlamento – indicou que a Nova Previdência corre perigo. Afinal, só quem ganha com os insultos trocados entre Jair Bolsonaro e o deputado Rodrigo Maia é a oposição.

Aos oposicionistas não interessa aprovar a reforma das aposentadorias. Em parte, porque discordam dela. Mas, em grande dose, porque sabem que, sem as mudanças no sistema previdenciário, o primeiro governo da chamada direita, após 24 anos de domínio da chamada esquerda, naufraga.

O naufrágio viria por dois caminhos. Um econômico e outro político.

Primeiro, porque para boa parte dos economistas – inclusive alguns da oposição – o Brasil vai se tornar insolvente, sem dinheiro para gastar sequer com o custeio essencial. Como consequência, quem planeja investir, desistirá.

Sem investimento, nenhum país cresce. Como os brasileiros vão continuar procriando, haverá mais habitantes para uma renda estagnada ou regressiva. Segue-se o empobrecimento.

Segundo, e mais relevante a curto prazo, provocará violento desgaste político ao novo governo. A percepção (real) será a de que o capitão-mor não tem apoio político. E sem apoio político, presidentes são abelhas rainhas sem colmeia. Não produzem nada.

O desgaste pode se tornar maior caso o Posto Ipiranga abandone o Governo. Afinal, o ministro da Economia, Paulo Guedes, coloca todas as suas fichas na reforma.

Sem ela, a planejada mudança de 180º na política econômica sofre revés brutal. O plano B de Guedes, o orçamento base zero, é quimera.

Emprego e poder de compra

Assim, sob estes dois aspectos, não aprovar a reforma é um desastre para o Governo Bolsonaro. Suficiente, talvez, para comprometer o restante de seu mandato, já que, na nova ou na velha política, à patuleia interessa emprego e poder de compra. Ou renda e inflação baixa.

Parece claro, assim, que o maior perdedor da escaramuça Bolsonaro x Maia é o presidente da República. Resta que, ou Bolsonaro não entende de articulação política, ou ele não está interessado em aprovar a reforma da previdência.

Diferente do presidente da República, Maia é genuinamente liberal e favorável à alteração dos sistemas de aposentadorias brasilianos – o ultra-camarada dos servidores e o da maioria dos brasileiros, aquele que garante apenas a sobrevivência.

Mesmo que a posição de Maia fosse de neutralidade, o presidente da Câmara (assim como o do Senado) não pode ser desprezado pelo chefe do Executivo. Simplesmente porque a maioria das leis não são aprovadas sem o beneplácito de ambos.

Logo, Bolsonaro deveria tratá-lo, no mínimo, com deferência. Como fizeram seus antecessores bem-sucedidos na aprovação de leis e emendas constitucionais – FHC, Lula e Temer. Sem dizer que os três completaram seus mandatos.

É claro que Rodrigo Maia também perderá, pois é de pouca serventia um presidente de uma Câmara que não aprova legislação importante. Mas o grande prejudicado será Bolsonaro, que terá que explicar um fracasso logo no primeiro ano de governo e numa proposta crucial para o País.

Desta maneira, diante destas circunstâncias, há duas hipóteses mais prováveis. Bolsonaro entende de articulação política, mas não quer aprovar a reforma da previdência. Ou, caso ele queira aprovar a Nova Previdência, pouco sabe sobre articulação política.

Chamem o Mourão

Na primeira hipótese, parece estar agindo para jogar a conta do eventual fracasso no que ele chama de “velha política”, que estaria representada por Maia e boa parte do Parlamento. Mas, neste caso, é de supor que o primeiro mandatário do Brasil saiba o passo seguinte.

Como no xadrez, a cada lance da política é preciso prever três ou quatro jogadas à frente. Difícil imaginar, porém, que lance seria este. Mas, vá lá, ele ganhou uma eleição sem que ninguém previsse.

Menos provável, caso entenda de articulação e queira aprovar a reforma, o presidente tem que explicar o que ele e seus filhos estão fazendo, já que suas atitudes beligerantes não condizem com o objetivo aparente. Ao contrário, dificultam a tramitação no Congresso Nacional.

Na segunda hipótese mais provável, o Brasil está numa enrascada. Um presidente incapaz de articular sua base – ou, pior, sem base – simplesmente não governa.

A última possibilidade é a de que Bolsonaro não saiba articular e não queira aprovar a reforma. Nestas duas últimas hipóteses, atraquem o navio e chamem o Mourão. Na democracia brasiliana, é o que resta.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

MP que permite empréstimos do FGTS às Santas Casas é aprovada


Nesta quarta-feira (24), o Senado aprovou  o projeto decorrente da Medida Provisória 859/2018 que regulamentou pontos pendentes relativos aos empréstimos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) às Santas Casas e hospitais filantrópicos.

Ler mais

Entrevista com o Deputado Augusto Coutinho


A matéria está em pauta. A ideia era começar a discussão, mas a questão da [Reforma da] Previdência inviabilizou qualquer avanço. Continuamos negociando, conversando com todos os partidos, exatamente no sentido de diminuir qualquer tipo de resistência, para fazer a votação de uma forma mais séria.

Ler mais

Bolsonaro sanciona lei que cria a Empresa Simples de Crédito


Jair Bolsonaro sancionou a lei que cria a Empresa Simples de Crédito (ESC). O objetivo é tornar mais barato o crédito para microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte.

Ler mais