agenda-politica-brasileira

Temer dá posse a Carlos Marun na Secretaria de Governo

Imprimir

1. O presidente Michel Temer dá posse ao deputado Carlos Marun (PMDB-MS) como novo ministro da Secretaria de Governo em substituição a Antonio Imbassahy.

Veja outros destaques da agenda do dia:

2. O relator da Reforma da Previdência, Arthur Maia (PPS-BA), apresenta novo texto no plenário da Câmara.
3. O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o secretário de Política Econômica, Fábio Kanczuk, concedem entrevista sobre previsão de crescimento do PIB em 2018.
4. O Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e os diretores da instituição participam da reunião do Comitê de Estabilidade Financeira do Banco Central (Comef), em Brasília. À noite, no Rio de Janeiro, Goldfajn participa de jantar organizado por Armínio Fraga.
5. O Presidente da Petrobras, Pedro Parente, recebe o título de Eminente Engenheiro do Ano 2017, em São Paulo.
6. O IBGE divulga o PIB dos municípios de 2015.
7. O IPEA divulga análise do mercado de trabalho com base na Pnad Contínua.
8. A Confederação Nacional da Indústria divulga Balanço de 2017 e previsões para 2018

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais