america-latina

O momento europeu e a integração regional latino-americana

Imprimir

Na terça-feira, 10, o governo da Catalunha proclamou a Independência da Província, mas anulou os seus efeitos, ou seja, fez e desfez algo que não encontra respaldo em praticamente lugar algum. Uma Catalunha independente poderá aflorar ainda mais o sentimento nacionalista local, mas do ponto de vista prático, resultará em um desastre para a própria região.

Ao que parece, os líderes independentistas se deram conta disso depois da insuflar a população contra Madri. Menosprezaram a capacidade do Estado em aglutinar posições unionistas que tornaram a independência uma caricatura de processo político.

O único resultado tangível logrado pelos sececionistas diz respeito às 540 empresas que decidiram abandonar a Catalunha. A instabilidade gerada por uma meia independência promete impactos negativos ainda maiores. Importante destacar que a Catalunha responde por 19% do PIB espanhol.

Fora da União Europeia e com as fronteiras literalmente fechadas, a Catalunha sentiria rapidamente o gosto amargo de uma decisão marcada por uma sucessão de erros. Este processo tampouco interessa para a própria comunidade europeia ainda abalada com o Brexit.

Por trás da pretensa independência catalã, estão muitos outros interesses, grande parte deles ainda obscuros para a maior parte dos analistas. No entanto, trata-se de um movimento que pode impactar a unidade europeia de forma contundente, ascendendo outros processos que colocariam em risco um modelo invejável de integração.

Mas, não são apenas os aspectos econômicos e comerciais que deveriam pesar. Há muito mais em jogo e a segurança é um desses elementos. É improvável que a União Europeia abra mão de atuar no Mediterrâneo, dados os cenários atuais. É claro que um comércio fluido e mais desenvolvimento são sempre importantes para frear tensões, mas não será apenas o comércio que ditará o futuro europeu frente a movimentos independentistas.

A União Europeia, como bem diz o seu Embaixador no Brasil, João Gomes Cravinho, “está consolidada como ator global, que projeta os seus princípios e valores no mundo e promove a paz e a estabilidade através do multilateralismo”. Tanto ele como a esmagadora maioria dos especialistas acreditam que a paz na Europa tem sido assegurada principalmente graças à UE. E isso não é pouca coisa.

Talvez o ressurgimento do ultranacionalismo faça com que determinadas decisões sejam melhor refletidas. Caminhamos para uma realidade onde as fronteiras deixarão de existir por completo, com o pleno trânsito de bens, serviços e pessoas?

Por outro lado, a forma como essa união fora forjada inspira regiões como a América Latina, cujas desigualdades são tão grandes quanto as diferenças que nos separam. Apesar dos esforços, não conseguimos dar passos objetivos em termos de unidade mesmo tendo a União Europeia como modelo.

A América Latina se ressente de lideranças capazes de promover este processo. Ainda patinamos nas ideologias que atrasam cada vez mais o nosso fortalecimento como ator global.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais