dilma

O desespero do PT

Imprimir

O PT, partido da presidente afastada Dilma Rousseff, considera o impeachment, aprovado por 14 a 5 na comissão especial do Senado, praticamente irreversível. Nesse sentido, o PT prepara campanha que defenderá o plebiscito para a realização de novas eleições para presidente da República, numa tentativa desesperada de retornar ao Palácio do Planalto. Os petistas apostam as fichas no ex-presidente Lula. Nos bastidores, dizem que a proposta é uma resposta à militância do partido, mas com chance zero de avançar.

Na próxima terça-feira (9), o governo do presidente em exercício Michel Temer acredita que o impeachment será aprovado por, pelo menos, 65 votos favoráveis. Os peemedebistas celebram a consolidação de Temer. Os petistas, por outro lado, entram no campo do desespero.

 

Mercosul

O presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), reagiu à autoproclamação da Venezuela como país que presidirá o Mercosul. “A Venezuela não está em condições de assumir a função”, garante. Em mensagem lida pelo senador Lasier Martins (PDT-RS), Aloysio Nunes lembrou que desde 1991 a presidência temporária do Mercosul, com duração de seis meses, é exercida num rodízio entre os países membros em ordem alfabética. A presidência do bloco é transmitida durante reuniões de cúpula dos respectivos governos. Essa transmissão deveria ter ocorrido no início desta semana durante reunião em Montevidéu, quando o cargo seria passado do Uruguai para a Venezuela. Mas a ascensão de Caracas à presidência do bloco sofre oposição de Brasil, Argentina e Paraguai. Porque a Venezuela “descumpre mais de 100 normas” relativas ao funcionamento do Mercosul.

 

Novos embaixadores

A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) aprovou as indicações para três embaixadas do Brasil no exterior. O diplomata Antonio Luis Salgado foi indicado para ocupar o cargo de embaixador na Rússia e no Uzbequistão; Norton Rapesta deve ir para a embaixada no Kuwait e Bahrein; e Flávio Macieira, para o Panamá. Durante sabatina, os três indicados ressaltaram a importância de o Brasil fortalecer as relações comerciais com esses países. As indicações ainda precisam ser aprovadas pelo Plenário do Senado.

 

Educação em pauta

A Comissão Educação da Câmara aprovou a proposta que modifica as regras de distribuição dos recursos do Fundeb para privilegiar a educação em tempo integral. De acordo com o texto, haverá acréscimo anual de recursos destinados a matrículas em tempo integral de modo a atingir, pelo menos, 50% dos recursos do fundo até o final da vigência do Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024. Foi aprovado um substitutivo do relator, deputado Bacelar (PTN-BA), para o projeto de lei (PL 1439/15) do suplente Merlong Solano (PI).

 

Incentivo à agroindústria

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara aprovou o projeto de lei (PL 3584/15) que cria a Política Nacional de Incentivo às Agroindústrias. São fabricantes de alimentos, bebidas, óleos, insumos e outros produtos de origem animal ou vegetal. A proposta é de autoria do deputado Evair de Melo (PV-ES). O projeto permite a criação de linhas de crédito, programas de certificação de origem e qualidade, parcerias de assistência técnica, feiras e fóruns de divulgação, entre outros programas para o desenvolvimento do setor. O objetivo é regularizar indústrias informais, incentivar novos empreendimentos agroindustriais e investir na competitividade agroindustrial do País.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais