eleicoes-2018

Desviar o foco

Imprimir

Determinado dia, em agosto de 1974, o então conselheiro e futuro chanceler, Luis Felipe Lampreia, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, colocou um enorme aparelho de televisão na sua sala e convidou os jornalistas para assistir a um jogo da seleção brasileira. Oferta diferente, mas Lampreia gostava de futebol (era torcedor do Botafogo) e o convite não pareceu fora do padrão. No entanto, foi uma jogada combinada com o Ministro Azeredo da Silveira que passou aquele dia reunido com a missão chinesa que tratava do reatamento de relações com o Brasil. Os jornalistas tiveram sua atenção desviada para não perceber que chineses subiam e desciam no prédio do Itamaraty.

Logo depois, o presidente Ernesto Geisel anunciaria para espanto da esquerda, perplexidade da direita e da surpresa da diplomacia norte-americana o reatamento das relações diplomáticas entre Brasil e China. Desde então até hoje, as relações entre os dois só cresceram. É o maior parceiro comercial do Brasil. Chineses estão em diversos negócios no Brasil. E o Brasil é um dos grandes fornecedores de minério, petróleo e carnes para o gigante asiático.

Foco na Previdência

Desviar a atenção de jornalistas do assunto principal às vezes é boa tática. Neste item o governo está trabalhando bem. A previdência social é mantida com rendas originárias de diferentes impostos. Está tudo previsto na Constituição. O bolo destas receitas é superavitário. Mas o excedente é transferido para o caixa do tesouro nacional através do mecanismo chamado de desvinculação das receitas da União (DRU). A ideia de que a previdência está falida contaminou a sociedade. Um bom trabalho de comunicação e publicidade emparedou eventuais resistências. O foco, portanto, é todo dirigido à reforma da previdência para evitar a tragédia anunciada.

Via de centro

Ao lado disso caminham as articulações para montagem da chapa governista para a sucessão do presidente Temer. Há dentro do governo um grupo que poderá ser chamado de queremista. Querer mais do mesmo. Ou seja, reeleição de Temer. A baixa popularidade do atual presidente desautoriza, neste momento, especulação neste sentido. Mas em outubro do próximo ano, os números da economia deverão ser melhores. Talvez exista uma brecha. É essa mesma brecha que inspira e entusiasma o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Ele também sonha com a cadeira presidencial.

A iminente pacificação interna do PSDB é notícia que só apareceu quando o processo foi praticamente concluído. Falta convencer o prefeito de Manaus, Artur Virgílio, que insiste em disputar nas prévias do partido a chance de ser o candidato à presidência. Os negociadores do PSDB já estão a caminho do Amazonas. Não será surpresa se nos próximos dias o ex-senador do PSDB desistir da disputa interna.

A tentativa de criar uma via de centro está tomando corpo. Geraldo Alckmin e Michel Temer são dois políticos de larga experiência. Eles deverão se encontrar no final de semana no interior de São Paulo – os dois são paulistas – para iniciar conversas mais profundas sobre a eleição de 2018. O PMDB vai fazer alianças heterodoxas por todo o país. Até com o PT. O PSDB também. É a última eleição em que coligações nas eleições proporcionais serão permitidas. Todos precisarão aumentar suas respectivas bancadas por causa da cláusula de barreira, outra novidade da legislação eleitoral. Na realidade, a eleição de 2018 preocupa mais do que a reforma previdenciária.

A preocupação maior são as eleições 2018

A modificação na legislação da previdência é assunto dos economistas. Eles têm suas razões, mas não necessitam de votos para sobreviver. Já promoveram barbaridades no Brasil em nome de um futuro melhor. É sempre bom lembrar que o plano Collor, idealizado por uma economista, foi aprovado pelo Congresso e pelo Supremo Tribunal Federal. Deu tudo errado, tão errado que o presidente perdeu seu cargo. É bom ouvir os economistas, mas não é razoável aceitar seus conselhos na integralidade, mesmo porque eles não têm nada a perder. Zélia Cardoso de Mello vive até hoje em Nova Iorque ao lado de dois os filhos de seu relacionamento com Chico Anísio. Numa boa.

A reunião de Temer com Alckmin no interior de São Paulo será o momento zero da campanha eleitoral de 2018. Os dois vão demarcar seus territórios e anunciar possíveis alianças. O PMDB, até agora, não tem candidato visível à presidência da República. O PSDB possui alternativas. De um lado há a ameaça de Bolsonaro e de outro a possibilidade de Lula ou Ciro Gomes. Em torno desta regra de três vai se decidir o futuro presidente do país. A preocupação maior é esta.

Publicado no Correio Braziliense em 01/12/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais