oposicao

E se fosse FHC

Imprimir

O presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) recebeu R$ 75 milhões em propina. Os recursos irrigaram as campanhas eleitorais do tucano em 2010 e 2014 na forma de doações legais. A informação partiu de um dos empreiteiros que fizeram delação premiada à Procuradoria-Geral da República.

O PT, que defende o impeachment do presidente, considera não haver mais dúvida do envolvimento de tucanos no escândalo que identificou desvios bilionários da Petrobras. FHC, investigado pela operação Lava-Jato, segundo o ex-líder do governo no Senado, tinha conhecimento de todos os ilícitos na estatal.

Os dois parágrafos acima esboçam uma conjectura fácil de formular para os que acompanham a política brasileira. Basta substituir, nas chamadas dos veículos de comunicação, o nome de Dilma Rousseff por FHC, do PT por PSDB.

Quem conhece a agremiação fundada em 1980 tem ideia do barulho que sua militância estaria promovendo, e a virulência como suas lideranças agiriam. Bastaria apenas que pairassem suspeitas de corrupção e ilegalidades semelhantes às que se acumulam contra o atual governo.

Afinal, o PT patrocinou pedidos de impeachment contra os ex-presidentes Fernando Collor, Itamar Franco e FHC. Em nenhum daqueles, ao que consta, a sigla considerou tratar-se de golpe. Contra a mandatária, porém, o impedimento virou golpismo.

Estivessem hoje os papéis invertidos, a turba de militantes arregimentada estaria ao lado dos “coxinhas” e dos “fascistas”. Claro, não seriam “coxinhas”, mas cidadãos mobilizados contra a corrupção, a inflação e o desemprego. Qualquer petista honesto sabe que assim atuaria o PT.

Criação e criador

Ora, a descoberta dos malfeitos hoje só é possível graças aos governos do PT, que, diferentemente dos antecessores, não interferiram nas investigações, justificam governistas. O argumento, usado como salvo-conduto, não serve como atenuante.

Se verdadeiro que o PT patrocinou a independência do trabalho de investigadores, talvez tenhamos um revival de O Bem Amado, de Dias Gomes. Dilma Rousseff no papel de Odorico Paraguaçu; o juiz Teori Zavascki no de Zeca Diabo.

Odorico, o prefeito de Sucupira, busca, durante a trama, inaugurar seu cemitério municipal. Eternizado pela performance de Paulo Gracindo na versão televisiva, o prefeito acaba estreando sua obra, depois de alvejado por Zeca Diabo (Lima Duarte, no folhetim da TV Globo). Logo saberemos se, como na ficção, a criação engolirá o criador.

A Lava-Jato é seletiva e mira sobretudo o governo Dilma, também serve como autodefesa. Se, de um lado, este parece ser o viés da operação, do outro, a égide dilmista ensaia buscar o “locupletemo-nos todos”. Além disso, é o governo em tela que gere orçamento de R$ 3 trilhões, e a malversação do erário foi, em grossa maioria, comprovada.

Remover Dilma para colocar Michel Temer vai ser pior, esgrimem com frequência dilmistas. Contradizem-se aqui. Ou bem defendem a Constituição, e o vice deve assumir, ou abandonam a Carta Magna como argumento.

E se Temer for alcançado pela Lava-Jato ou pela Justiça Eleitoral? Novamente a Constituição: novas eleições seriam convocadas. Além do mais, PT e PMDB amalgamaram-se de tal forma que pouca diferença resta.

Derradeira alegação, o Congresso vai condenar uma “mulher inocente”. O raciocínio, levado ao paroxismo, sugere que uma presidente ilibada, mas inepta, tem o amparo constitucional para quebrar a economia do país.

“Corrupção cívica”

Parte dessa postura pode ser entendida quando se compara a agremiação a uma seita. Posiciona-se ela como única capaz de fazer o bem ao povo, pois imbuída do gérmen da magnanimidade. “Como se o PT fosse o único depositário da decência na política nacional, coisa que não é”, sustentou o sociólogo José de Souza Martins, em entrevista recente ao Valor Econômico.

Na visão petista predomina o pensamento de que a gatunagem de esquerda é necessária, pois beneficia os desafortunados. Para o sociólogo do ABC, como alcunhou a repórter Malu Delgado, a ideia é que “corrupção de esquerda é a corrupção para o bem, não é para enriquecimento privado”.

É a “corrupção cívica”, na irônica definição de Martins. Ainda de acordo com a doutrina esquerdista, muitas ações heterodoxas se justificam para evitar que a direita volte ao poder. O modelo, por ironia, assemelha-se àquele pregado por Sérgio Motta, pensador tucano já falecido.

Em 1995, ele sustentou que o PSDB deveria ficar pelo menos mais 20 anos no poder. Para desgosto de ambos, as semelhanças entre tucanos e petistas vão além da origem na ditadura militar.

Legalidade

Resta, assim, improcedente taxar como golpe a deposição da presidente. Também aqui assemelham-se PT e PSDB.  Ao defender o impedimento do ex-presidente tucano, petistas argumentaram que FHC cometera “estelionato eleitoral”.

No direito, o rito do impeachment de Dilma Rousseff estriba-se em decisão do STF de dezembro de 2015, festejada por governistas. Além disso, para demover a mandatária serão necessários os votos de dois terços dos deputados e dos senadores, em votações distintas e abertas.

O arrazoado situacionista já foi rejeitado pelo STF. Juízes daquela corte, ativos e inativos, respaldam a legalidade. “Não se trata de um golpe”, pontuou Dias Toffoli, membro da corte de inequívoco DNA petista. A antes decantada The Economist arremata: “Quando um golpe não é um golpe”.

Sobram, a defender a tese do golpismo, néscios e dilmistas. Para os últimos por conveniente e bem engendrada propaganda política. Agora, para preservação do status quo e mobilização das massas. Depois, em caso de deposição, para brandir como escapatória.

As alegações dos que defendem o governo Dilma servem ainda como cortina de fumaça para camuflar a derrocada do projeto que pregava a ética como diferencial partidário. Mas que, treze anos depois, lega a desesperança autofágica na política – talvez a mais perversa de todas as heranças.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais