brasil-politica

A eclipse das ideias

Imprimir

No dia 21 de agosto a mídia exibiu o fenômeno astronômico que foi batizado como a eclipse do século. A eclipse solar é um fenômeno que ocorre quando a Lua se interpõe entre a Terra e o Sol. Nos Estados Unidos a escuridão em pleno dia se estendeu desde o Oregon até a Carolina do Sul e teve seu auge nos estados do Missouri e Kentucky, um fato que aconteceu pela última vez em 08 de junho de 1918.

Por um pequeno espaço de tempo nosso planeta não recebeu a irradiação solar plena, fonte primária de todo sistema energético e vida do planeta. Para alguns a ocultação do Sol produz incertezas gerando uma tensão inconsciente.

Como o próprio fenômeno simboliza algo incomum, o período do eclipse também tende a sinalizar acontecimentos inesperados e reviravoltas. E também reflexões.

A ocultação das ideias

A história nos mostra que os sistemas sociais, econômicos e políticos sofrem transformações. As ocultações de ideias e princípios desempenham um papel importante nos retrocessos que colocam a sociedade humana na penumbra. É o que testemunhamos atualmente no planeta e no Brasil.

Um planeta que caminha para a desolação, uma pandemia de violência, uma descrença no mundo político e judiciário, uma indecente justiça social e que insistimos em chamar de democracia. Na história da humanidade tivemos grandes pensadores que indicaram caminhos para sairmos de um cenário de selvageria para conquistarmos um estágio de civilização plena.

Esses seres iluminados, como o Sol, criaram o Humanismo onde o ser humano é colocado no centro das preocupações sociais e intelectuais. Podemos citar entre eles, Confúcio, Sócrates, Descartes, Spinoza, Voltaire, Rousseau, Kant, Hegel, Nietzsche, Ortega y Gasset, Sartre e Hanna Arendt.

Muitos contribuíram através da literatura, entre eles, Miguel de Cervantes, William Shakespeare e Luís de Camões. Apesar das mensagens de sabedorias dos nossos antepassados, eles são relembrados somente em círculos intelectuais e acadêmicos restritos. É importante tirar essas ideias de debaixo do tapete e democratizar e aplicar esses ensinamentos.

A pós eclipse no Brasil

Certamente vamos superar as atuais crises, éticas, morais, políticas, da educação, da ciência e tecnologia, da saúde, econômicas e outras. Para entender a identidade brasileira e projetar nosso futuro vamos nos inspirar nas ideias de nosso saudoso Darcy Ribeiro.

Em seu livro “O processo civilizatório”, publicado em 1972 ele enfatizou a evolução das sociedades humanas procurando entender de forma coerente e lógica a história da humanidade. Em seu livro “O povo brasileiro”, publicado em 1995 ele trata das matrizes culturais e dos mecanismos de formação étnica e cultural do povo brasileiro.

Nessas reflexões ele nos remete às nossas origens, a história que como brasileiros fomos construindo. Ele procurou entender os caminhos que percorremos que nos levaram a distâncias sociais tão profundas no processo de formação nacional.

Nesse livro ele assim se expressa: “Faço política e faço ciência movido por razões éticas e por um fundo patriotismo”. Ele denuncia o descaso dos setores retrógados das classes dominantes pelo povo e pela nação.

Darcy Ribeiro defende a reordenação social do País sem convulsão social, através de um reformismo democrático. Mas, conhecendo o caráter da classe dominante brasileira, e ao contrário daqueles que temem a revolução, ele pensa também que essa mudança pacífica:

“é muitíssimo improvável neste país em que uns poucos milhares de grandes proprietários podem açambarcar a maior parte de seu território, compelindo milhões de trabalhadores a se urbanizarem para viver a vida famélica das favelas, por força da manutenção de umas velhas leis”.

Os desafios são grandes. Ideias inspirativas não faltam. Lembremos uma de Darcy: “Só há duas opções nesta vida: se resignar ou indignar. E eu não vou me resignar nunca.” Vamos todos lutar pelas conquistas dos sonhos de Darcy e todos os humanistas.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para reflexão do potencial eleitor de Bolsonaro


Parcela do eleitorado – indignada com a situação do país, enfurecida com a corrupção e com a violência – tem sede de vingança. E esse sentimento aproxima essas pessoas do candidato Jair Messias Bolsonaro, que não faz outra coisa na vida a não ser reforçar esse sentimento de revolta nas pessoas. Quando um agente político identifica uma situação de desconforto e recomenda uma punição para os seus supostos responsáveis, esse gesto o aproxima das pessoas que estão incomodadas com a situação, fazendo-as imaginar que esse diagnóstico comum é suficiente para fazer dele (agente político) seu representante no Congresso ou no Poder Legislativo. O “messianismo”, ou a crença na vinda de um salvador ou redentor, caído do céu, imaculado e justiceiro, para libertar o povo de seus males, é um fato na cultura da Humanidade, mas, ao mesmo tempo, pode gerar a alienação dos indivíduos quanto a serem, eles mesmos, os agentes para a solução dos problemas identificados. O método adotado por Bolsonaro para sensibilizar seus apoiadores consiste em apontar problemas (criminalidade, corrupção, desemprego), indicar os supostos culpados (a esquerda, os comunistas, os malandros e corruptos), além de sugerir uma suposta solução (a punição, no caso a repressão, o encarceramento, o corte de direitos e serviços públicos, etc), numa construção que denota causa e efeito. Para potencializar e manter as pessoas presas a essa fórmula, utilizam as redes sociais para espalhar discórdia, mentiras e apontar fatos da realidade que chocam as pessoas. Existe um exército de mercenários, a serviço dos bolsonaristas, que alimenta, estimula e sustenta esse tipo de campanha permanente É o modo de comunicação troll, que provoca reações enfurecidas, estimula um comportamento de massas, manipula, maneja e molda as crenças e sentimentos das pessoas sem contar com o consentimento ou vontade consciente delas. Provoca os instintos mais primitivos do […]

Ler mais

Que tipo de propostas se pode esperar do próximo presidente?


  Em artigo anterior, sob o título “as três visões em disputa na eleição de 2018”, tratei dos desenhos de Estado que estão em disputa. Neste trato de medidas que poderão ser propostas pelos representantes dessas três visões: a) Estado de proteção social, b) Estado liberal-fiscal, e c) Estado penal. Ressalte-se, desde logo, que alguns candidatos podem combinar, em seus programas de governo, políticas públicos de caráter liberal-fiscal com medidas do Estado penal, mas é bem menos provável que um candidato que adote a visão de estado de proteção social possa compatibilizar seu programa com propostas de ordem liberal-fiscal, ainda que possa incorporar algumas medidas de reforço à segurança pública. Os candidatos do campo da esquerda e da centro-esquerda[1], que adotam a defesa do estado de proteção social, terão como prioridade recuperar a capacidade do Estado de ofertar serviços e proporcionar o acesso a bens públicos, especialmente aos mais vulneráveis. Isto não significa que deixarão de propor reformas estruturais, inclusive com impacto sobre direitos, como reforma da Previdência e do Estado, mas com  generosas regras de transição. Os pressupostos para a retomada do projeto de estado de proteção social, entretanto, são a revogação ou flexibilização da Emenda Constitucional 95, e a realização de reforma tributária que amplie a arrecadação, sem o que será impossível conter o aumento da desigualdade e evitar o colapso do Estado. Já os candidatos que defendem o Estado de perfil liberal-fiscal[2], além de manterem o congelamento do gasto público – admitindo a sua flexibilização somente se, e quando, forem aprovadas reformas profundas para reduzir o gasto social – descartam qualquer aumento de tributos, exceto do Imposto de Renda de pessoa física, aprofundando o ajuste apenas pelo lado da despesa, e notadamente na área social. A prioridade – ao lado da venda de ativos, mediante a alienação […]

Ler mais

Por trás do “choque liberal” do PT, o risco da censura à imprensa


Por trás da proposta aparentemente benfazeja de Fernando Haddad esconde-se um velho desejo do PT e um postulado de regimes autoritários: a censura da imprensa. Um dos possíveis postes de Lula às eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito propõe “regulamentação que aumente o pluralismo e a diversidade dos meios”. Em entrevista aos jornalistas Ricardo Mendonça e César Felício na segunda, 23 de julho, Haddad acrescentou que “o foco é evitar concentração da propriedade, sobretudo propriedade cruzada”. Buscando um verniz democrático à iniciativa, disse que “queremos dar um choque liberal”. https://www.valor.com.br/politica/5676907/haddad-propoe-punicao-tributaria-para-spread-alto Cuba não é pluralista Ampliar o número de proprietários dos meios de comunicação é, sim, saudável. A pluralidade incentiva a concorrência e inibe a manipulação. Ganha o jornalismo profissional e a liberdade de informação, que inexiste em modelos controlados pelo Estado. Afinal, quem vive do jornalismo não pode fazer como os blogs sujos, que divulgam apenas um lado da notícia e não abrem espaço ao contraditório. Na verdade, aqueles sites – que existem graças à internet e aos smartphones, invenções capitalistas – são ponta de lança da propaganda petista. Quem conhece o PT sabe, na verdade, que o alvo da “regulamentação” é o controle da grande imprensa. Menos cautelosos do que Haddad, militantes petistas acreditam que, caso o controle já existisse, a sigla ainda estaria no poder. Se o partido de Lula não o fez antes foi por pruridos democráticos de parte de suas lideranças e pela oposição da mídia profissional. Controlar a imprensa, no entanto, foi sempre um método de governos de esquerda. Basta ver os exemplos hodiernos da Venezuela e de Nicarágua. Sem falar da ditadura cubana, que leva ao paroxismo o controle da imprensa. Todos modelos defendidos pela chamada esquerda. Sem imprensa, sem democracia A imprensa livre, com todas as suas parcialidades e tendenciosidades, é condição sine […]

Ler mais

Os três papéis do Presidente da República


O presidente da República, no Brasil, personifica, em sua integralidade, o Poder Executivo, e exerce, simultaneamente, três papéis: 1) de Líder da Nação; 2) de Chefe de Estado; e 3) de Chefe de Governo. Os dois primeiros são mais simbólicos. O verdadeiro estadista é aquele que preenche essas três dimensões do cargo e o faz com o espírito republicano e que, apesar do enorme poder que o cargo lhe confere, não o exerce de forma autocrática ou irresponsável. Os principais atributos de um presidente da República são sua legitimidade e liderança, as duas condições que o habilitam a liderar a Nação, convencendo-a da importância, necessidade e conveniência de suas iniciativas, inclusive daquelas que eventualmente contrariem interesses. É o principal requisito para que conquiste e preserve a governabilidade. Isso é o que se chama de capital político. Nesse papel, de caráter mais simbólico que prático, o presidente deve ser percebido como exemplo na defesa e no respeito à Constituição, na condução da ordem interna e na promoção da paz social entre os brasileiros, bem como na defesa da soberania nacional e no zelo pela defesa do Estado Democrático de Direito. É tanto que no ato de sua posse, conforme previsto no art. 78 da Constituição Federal, o presidente é obrigado a prestar o juramento perante o Congresso Nacional, “prestando o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade a independência do Brasil”. O papel de Chefe de Estado, cuja principal missão é bem representar o País e o Povo Brasileiro perante governos estrangeiros e organismos internacionais, além de autoestima e confiança, tem como pressuposto acreditar no Brasil e defender sua inserção soberana no mundo globalizado, inclusive para efeito de disputa de mercados. Esse papel requer uma […]

Ler mais