crise

Emprego, uma prioridade do governo

Imprimir

Apesar de as projeções apontarem a saída do país da recessão econômica ainda este ano, com a manutenção da tendência de queda da inflação, o alto desemprego continua como um fator de preocupação para o governo. Segundo dados divulgados pelo IBGE na semana passada, a taxa de desemprego encerrou 2016 em 12%. Mesmo com os sinais de recuperação da economia já visíveis, a situação do emprego, segundo analistas, só deve parar de cair no terceiro trimestre.

Não por acaso na semana passada, durante a abertura dos trabalhos do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), disse que o foco central do governo federal é a adoção de medidas que fortaleçam a microeconomia e gerem empregos. Mesmo reconhecendo a importância do ajuste fiscal, ele destacou a necessidade de investir em medidas para a geração de empregos no curto prazo.

A avaliação do chefe da Casa Civil está sintonizada com os anseios da opinião pública. Pesquisa realizada no final de 2016 pelo Ibope e divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) indicou que o desemprego é o principal problema do país para 43% dos entrevistados, seguido por saúde e corrupção (empatados com 32%).

A preocupação com a economia e sua influência direta na geração de empregos também foi expressa na mensagem que o presidente Michel Temer enviou ao Congresso na semana passada, na abertura dos trabalhos legislativos. Temer sustentou que “nossa missão conjunta é superar a maior crise de nossa história. Uma crise econômica, de origem essencialmente fiscal, que se traduziu em expressiva retração de nosso PIB nos últimos dois anos. Uma crise social, cuja face mais dramática é o desemprego de milhões de trabalhadores”.

Para enfrentar tais desafios, o Palácio do Planalto apostará nas reformas, sobretudo a previdenciária e a trabalhista. Na manifestação do governo ao Congresso, as reformas foram defendidas como “vitais para restaurar a credibilidade que traz investimentos e gera empregos”.

As vitórias obtidas pelo governo Temer no Congresso sinalizam que há espaço para o Planalto aprovar as reformas que deseja. Já a recuperação do emprego dificilmente virá no curto prazo. Por conta disso, o lançamento de uma agenda positiva é fundamental para o governo minimizar o impacto negativo do desemprego no humor da opinião pública e, como consequência, trabalhar para melhorar sua avaliação positiva.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais