entrevista

Entrevista: Senador Fernando Bezerra (PMDB) – vice-líder do governo no Senado

Imprimir

Senador Fernando Bezerra (PMDB-PE), vice-líder do governo no Senado e provável candidato ao governo de Pernambuco em 2018, respondeu ao Blog da Política Brasileira sobre a Reforma da Previdência e a agenda futura do governo Temer. Leia a entrevista completa:

Havendo aprovação da Reforma da Previdência na Câmara, o Senado vai votar em ano de eleição?

Creio que sim. Acho que existe um esforço muito grande por parte do governo e de forças inclusive que não estão no governo, mas que compreendem a necessidade de se dar estabilidade e sustentabilidade à recuperação da economia. Já temos números sendo divulgados sobre uma forte recuperação no ano que vem. Mas é importante que a gente possa sinalizar que as contas públicas estarão em equilíbrio pelos anos vindouros também. Daí essa proposta mais enxuta, que não mexe nos benefícios de prestação continuada, não mexe na aposentadoria rural, corrige distorções, privilégios, injustiças, e atende a uma necessidade demográfica: a população está envelhecendo e é importante ampliar a idade mínima.

Além da reforma, que agenda será prioritária para o governo?

O programa de privatização do setor elétrico, da Eletrobras. E depois uma série de agendas que tenham a ver com a melhoria do ambiente de negócios mirando a desburocratização, para que a gente possa liberar o espírito empreendedor da sociedade brasileira. Para que os micro e pequenos empresários possam ter mais liberdade para construir os seus negócios. Tem uma grande agenda microeconômica que precisa ser acelerada, sobretudo no primeiro semestre do ano que vem.

Veja outra entrevista sobre o assunto para a TV Senado:

A reforma ministerial, mesmo feita por partes, ajuda na aprovação dessa agenda?

Com certeza. É importante ter votos, em especial na Câmara dos Deputados. O presidente Michel Temer conhece os caminhos dessa articulação política. Creio que ele deverá ultimar a reforma, sobretudo para dar sequência a essa grande agenda de reformas que tem sido o governo dele. Acho que a população começa a reconhecer a queda da inflação, a queda dos juros, a volta do emprego.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais