politica

Flavio Dino e a revolução capitalista

Imprimir

O Brasil é um país extraordinário. Veja se não é: o ex-deputado federal Flávio Dino (PCdoB) tornou-se o primeiro comunista a eleger-se governador no Brasil. Ele recebeu 63,5% dos votos válidos dos eleitores e promete iniciar um novo ciclo econômico no Maranhão.

Não para estatizar nem coletivizar, e sim para “implantar o capitalismo” no estado. Dino promete estimular a competitividade e o ingresso de novos empresários. Enfim, vai promover uma verdadeira revolução capitalista que, segundo suas próprias palavras, será “uma revolução democrática burguesa”.

Vai fazer isso porque, de acordo com o diagnóstico de sua equipe, a economia ainda sobrevive por ali em bases feudais, conforme alguns economistas falavam do Brasil na metade do século passado.

Evidentemente, é muito curioso que um governador eleito pelo PCdoB assuma um discurso tão radical em relação ao que defende o seu partido.

O PCdoB radicalizou seu discurso nos anos 50 ao se manter estalinista em dissidência ao velho “Partidão”. Depois andou seduzido pelos chineses e albaneses. Nos estertores do comunismo, tinha em Enver Hoxha, sanguinário líder albanês, como inspirador.

Ultimamente oscila entre o pragmatismo o clientelismo e surtos de esquerdista radical. Apoiou o ataque à Editora Abril por conta da capa de Veja às vésperas das eleições. Coisa de doido que poderia ter custado a eleição de Dilma.

Flávio Dino, felizmente, está acima de tudo isso. É um dos mais brilhantes políticos de seu tempo. Tem muito a ensinar ao PCdoB. Em mais de 30 anos conversando com políticos em Brasília, pouca vezes vi alguém tão preparado intelectualmente e tão conectado com o mundo contemporâneo. Flavio Dino é um ponto fora da curva. A ponto de prometer uma revolução burguesa, com amplos fundamentos, mesmo sendo do PCdoB.

Não é o primeiro a surpreender. Antonio Palocci, quando prefeito de Ribeirão Preto (SP) pelo PT, privatizou a empresa municipal de telefonia mesmo contra os votos do PSDB! Mostrou personalidade para fazer o que tinha de ser feito na administração municipal, apesar de, na época, o PT ser contra qualquer tipo de privatização.

Talvez Flávio Dino encontre muitas dificuldades para implantar uma revolução capitalista no Maranhão. Mas se ele pelo menos conseguir fortalecer as instituições públicas e melhorar a qualidade dos serviços públicos já será um enorme avanço. Sua meta é elevar a qualidade do IDH maranhense, o segundo pior do Brasil. Se obtiver êxito, fará um grande serviço a seu estado.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais