previdencia

Governo intensifica busca de votos para aprovar Previdência

Imprimir

O governo decidiu adiar para a última semana de trabalho do Congresso Nacional a tentativa de votar a Reforma da Previdência. A intenção é iniciar a análise no dia 18 de dezembro e concluir a votação em dois turnos até o dia 22, quando se encerra o ano legislativo.

Esta semana, o Planalto jogará todas as suas fichas para obter os votos necessários. De acordo com o líder do governo, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), a meta de segurança será em torno de 320 votos. A esperança é que a liberação de emendas parlamentares e de recursos a estados e municípios, além da distribuição de cargos, consiga seduzir os deputados reticentes a votar a favor da reforma em função da proximidade com as eleições.

Legendas fecham questão e geram otimismo no governo

A ofensiva feita até então, apesar de ter criado um clima de maior otimismo, não vem surtindo o efeito esperado. O “fechamento de questão” dentro da base não obteve êxito. Apenas PMDB, PTB e PPS decidiram obrigar suas bancadas a votarem a favor. Os demais partidos não devem assumir tal posicionamento.

As ameaças de restrição na obtenção de recursos do Fundo Partidário para as campanhas e o fechamento de portas na janela para troca de legendas contribuíram para esse quadro. Além disso, a reação dos servidores públicos contra a propaganda do governo que apregoa o fim dos privilégios dessas categorias tem sido bastante contundente e vem alcançando resultado.

Mudanças na proposta ainda são possíveis

Mesmo ganhando mais tempo para garimpar votos, a tarefa do governo continua difícil. O novo texto apresentado pelo relator, Arthur Maia (PPS-BA), ainda sofre muitas resistências. Embora o Palácio do Planalto afirme publicamente que novas mudanças estão fora de cogitação, nos bastidores comenta-se que, como última alternativa, o governo poderia desidratar ainda mais a proposta levando a voto apenas o que considera a espinha dorsal da reforma: a fixação de idade mínima para a aposentadoria.

Levando-se em conta que, quanto mais próxima das eleições mais inviável se torna a votação, a adoção desse plano B transforma-se em algo plausível, já que caberia no discurso de que a apreciação somente da idade mínima foi “a reforma possível”.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais