politica

Governo insiste na Previdência

Imprimir

A votação da Reforma da Previdência na Câmara foi agendada para a próxima semana. O governo ainda não conta com os 308 votos necessários para aprovar a proposta, mas espera obtê-los até o dia 18. A tarefa é difícil, pois ainda há muita resistência na base e a próxima semana é a última antes do recesso legislativo.

Há no Congresso quem defenda que o governo restrinja ainda mais o escopo da reforma. Hoje o texto engloba idade mínima, regra de transição e equiparação entre servidores públicos e privados. A sugestão é aprovar apenas a idade mínima. A Fazenda não concorda.

Apenas PMDB, PTB e PPS, num total de 85 deputados, decidiram fechar questão a favor da reforma. As outras siglas não devem seguir esse caminho, embora prometam apoio da maioria de suas bancadas.

TENDÊNCIA: Chance de aprovação permanece em 45%

Confaz discute convalidação dos benefícios fiscais

Na sexta-feira (15), o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) discute a convalidação dos benefícios fiscais concedidos pelos estados sem a aprovação do colegiado. A convalidação está prevista na Lei Complementar nº 156/16. Ela deu 180 dias para que o Confaz convalide os benefícios, o que significa que o conselho terá que apontar, até fevereiro, quais são os incentivos válidos de cada estado.

A minuta do documento está praticamente pronta e agora precisa obter aprovação de pelo menos dois terços dos estados. Esse total deverá ser distribuído nacionalmente, com pelo menos um terço dos estados de cada região concordando com a concessão.

Os estados do Sudeste querem mudar o prazo para o fim dos incentivos. Rio, São Paulo e Minas defendem a redução gradual dos benefícios, ao longo de 15 anos. Na última reunião (23/11), o Confaz analisou a questão e não houve acordo. O Amazonas pediu tempo para analisar o assunto.

TENDÊNCIA: Adiamento da decisão

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais