america-latina

A Guerra Fria como pano de fundo na crise venezuelana

Imprimir

Desde 2011, assistimos a retomada de uma “Guerra Fria” em torno do conflito na Síria que coloca em lados opostos os eixos euro-americano-saudita-sunita e sino-soviético-iraniano-xiita. Com o propósito de protegerem suas áreas de influência na forma de verdadeiros protetorados, Moscou e Washington sustentam, cada um à sua maneira, uma guerra que já cobrou mais de um milhão de vidas.

Também podemos debitar na conta das estratégias geopolíticas, o fato de terroristas e mercenários serem patrocinados pelo diversos lados do problema. A Síria tornou-se o ator preponderante nesta nova edição da Guerra Fria entre Rússia e Estados Unidos.

Transportemos o exemplo para a América Latina, mais especificamente para a Venezuela. Guardadas as devidas proporções, observamos os principais atores envolvidos no conflito sírio, também em lados opostos na crise venezuelana. O que difere são as razões, e nenhuma delas tem fundo ideológico.

China e Rússia são contrárias à queda do regime e criticam as sanções aplicadas pelos Estados Unidos. Os dois países investiram bilhões de dólares em projetos estratégicos na Venezuela e não querem perdê-los.

Enquanto Maduro ganha tempo e torce para que o preço do patróleo volte a patamares estratosféricos, Pequim e Moscou estão de olho nos recursos que colocaram no país e na importância estratégica de se posicionarem em uma região que sempre foi área de influência norte-americana.

Em 2009, o então presidente da Venezuela, Hugo Chávez, confirmou que o país desenvolve um projeto nuclear civil com apoio da Rússia, que concedeu ao governo venezuelano um crédito de US$ 2,2 bilhões para a compra de armamentos.

Nos últimos anos, a Venezuela comprou equipamento militar russo, como 24 caças-bombardeiros Sukhoi-30, 50 helicópteros MI-17, M-26 e M-35 e 100 mil fuzis AK 47, por cerca de US$ 3 bilhões.

O novo arsenal inclui 92 tanques T-72 e “um poderoso sistema antiaéreo” com um número não revelado de foguetes “reativos”. A Venezuela teria ainda, cinco mil mísseis SA-24 do tipo sistema de defesa aérea de uso portátil (MANPADS, na sigla em inglês), também conhecidos como Igla-S.

Há também especulações em torno de uma base militar russa na Venezuela. O complexo seria construído em Puerto Cabello, no litoral norte do país, onde está instalada a Base Agustín Armario, a maior da Marinha venezuelana.

Já em 2016, Rússia e Venezuela firmaram um acordo de investimento de US$ 500 milhões adicionais para exploração e produção de petróleo e gás nos campos da Faixa Petrolífera do Orinoco, região que tem uma das maiores reservas mundiais de hidrocarbonetos, com área de 55.314 km², dos quais 11.593 km² só para exploração. O aporte adicional é parte de um entendimento firmado em maio do ano passado, que prevê investimentos de US$ 14 bilhões de dólares da Rússia na Venezuela nos próximos anos.

Já a China emprestou mais de US$ 60 bilhões à Venezuela, sendo a maior parte dessa quantia paga com a entrega de petróleo. Pouco se sabe a respeito desses acordos que não passaram pelo crivo da Assembleia Nacional, mas as evidências de que preveem privilégios para empresas chinesas em setores-chave da economia venezuelana, como transporte, telecomunicações, energia, entre outros, é cristalina.

No entanto, Pequim não abandona o pragmatismo e desde 2016, o governo chinês mantém diálogo informal com membros importantes da oposição venezuelana, o que revela que a China considera bastante provável o colapso do regime. Para piorar o cenário, a Venezuela deve mais de três milhões de barris de petróleo à China.

No último domingo, 30, o regime bolivariano promoveu eleições para a conformação de uma Assembleia Nacional Constituinte e menos de 24h depois, ordenou a prisão de vários líderes políticos de oposição, incluindo Leopoldo López e Antonio Ledezma que já cumpriam penas domiciliares.

Embora publicamente ainda respaldem o regime, tanto Moscou como Pequim consideram essas ações desnecessárias e gostariam de ver um pouco mais de boa-vontade por parte de Maduro para buscar uma solução dialogada. Ninguém sabe o que restará do país se a Venezuela mergulhar em uma guerra civil.

Apesar de todos os apelos, Nicolás Maduro levou adiante o seu projeto de poder que logrou eleger importantes líderes do chavismo como o ex-vice-presidente Aristóbulo Istúriz, o ex-presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, e a ex-chanceler Delcy Rodríguez, além de Cília Flores, esposa do líder venezuelano e por ele apelidada de “Primeira Combatente” e o filho Nicolasito.

Em comum, todos são radicais e sinalizam o endurecimento do regime, o que significa pôr mais lenha na fogueira. Trata-se de uma situação que incomoda especialmente a China que prefere a estabilidade política nos países onde atua com força e onde põe muito dinheiro.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais