dilma

O julgamento do século televisionado pela TV Senado

Imprimir

O país assiste hoje sua história ser contada pela TV Senado. Dilma Rousseff, primeira mulher a ser eleita presidente da República, será afastada do cargo. Primeiramente, por 180 dias. Mas nem ela própria acredita que conseguirá voltar à cadeira presidencial, dada a insatisfação das ruas com seu governo.

Não por outro motivo, ministros do núcleo mais próximo de Dilma já limparam as gavetas e deixaram a Esplanada dos Ministérios. Eles, no entanto, continuarão a receber seus polpudos salários enquanto durar o julgamento do caso no Senado, que pode se arrastar até novembro. Apenas Jaques Wagner, o “ministro” chefe de gabinete de Dilma, receberá vencimentos de R$ 30.934,00 mesmo sem nem sequer colocar os pés em Brasília. Por mês, é claro.

Em conversas reservadas, esses mesmos ministros reconhecem que, embora o motivo oficial do impeachment seja as “pedaladas fiscais”, o afastamento de Dilma decorre da insatisfação popular com algo que atinge a todos os brasileiros: o próprio bolso.

Seja você favorável ou não ao impeachment, é improvável que não tenha percebido o quanto as coisas ficaram mais difíceis ultimamente. A bem da verdade, com Dilma, a economia encolheu e a inflação não deu sossego a ninguém.

Apenas para se ter ideia do quanto o dinheiro perdeu valor nesses pouco mais de cinco anos de governo Dilma, uma conta de supermercado que custaria R$ 100 em janeiro de 2011 sairia, hoje, por pelo menos R$ 144,28. Isso por causa da inflação galopante, que está, desde 2009, acima do que foi prometido pelo governo.

Porém, por pior que seja a inflação, não há nada de mais nefasto para um povo do que o desemprego. Porque, afinal de contas, é melhor ter algum dinheiro no bolso, ainda que valha pouco, do que nenhum, e ter que depender do seguro desemprego (de apenas cinco meses). Pois, sob Dilma, 11 milhões de pais de família perderam o sustento de suas casas. Boa parte deles, eleitores de uma presidente que, embora eleita com 54 milhões de votos, é reprovada por dois terços da população.

É por isso que este 11 de maio não será marcado apenas como o dia em que o Senado decidiu afastar Dilma do cargo temporariamente. Será uma data a não ser mais esquecida por qualquer político brasileiro. Um alerta de que o povo não mais aceitará que governantes eleitos pelo voto descumpram aquilo que foi prometido em campanha eleitoral.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais