brasil-politica

Justiça tem que ser para todos

Imprimir

Os últimos 33 anos no Brasil tiveram a marca indelével de três partidos: MDB, PSDB & PT. Neste interregno, quase tudo de bom, quase tudo de mau que ocorreu em terras brasilianas teve a participação da tríade.

Da estabilidade econômica aos programas sociais, passando por projetos que converteram em leis mudanças drásticas nos costumes. Da saúde convalescente à educação sempre reprovada, passando pela corrupção catapultada à casa dos bilhões.

Para o bem e para o mau, o Brasil que adentrou o século XXI tem as digitais daquelas três agremiações. As demais siglas foram coadjuvantes.

As eleições de 2018 dirão se o trio continuará protagonista ou não. Porém, a sujeira que esparramaram ao transformarem militantes partidários em meliantes do erário é igualmente inapagável.

Todos no mesmo barco

Graças à Lava-Jato, parte dos larápios que roubaram bilhões de dinheiro do público estão sendo conduzidos ao cárcere. Pela primeira vez na história tupiniquim, a elite branca e rica foi condenada por corrupção.

A prisão do camarada José Dirceu tem o gosto acre para uma geração que quis mudar o mundo. Ao lado de Lula e Antonio Palocci, Dirceu teve papel decisivo nos rumos do Brasil contemporâneo.

O PT, porém, não caiu de gaiato neste navio licencioso. Caiu porque roubou e deixou roubar. A Ação Penal 470 e a Lava-Jato demonstraram isto à larga.

A história das últimas três décadas, no entanto, não foi escrita sozinha pela sigla que representara a esperança de que a política podia ser exercida com retidão. MDB e PSDB também forjaram o Brasil que ora vivenciamos.

O tanto que cada uma destas siglas depenou o erário ainda está sendo contabilizado. Mas as três, já evidenciou a Lava-Jato, exerceram forte protagonismo nos malfeitos com os cofres públicos.

Até aqui, procuradores e juízes têm se mostrado ágeis para trancafiar petistas. Quando o alvo são emedebistas e tucanos, porém, o ritmo tem sido a tradicional vagareza do Ministério Público e do Judiciário.

Senão, vejamos. Paulo Preto, tido como operador tucano, e Milton Lyra, símile do MDB, foram libertados quando ofereciam risco de delatarem tucanos e emedebistas graúdos.

Os cardeais tucanos Geraldo Alckmin e Aécio Neves, entre os suspeitos da Lava-Jato, não parecem ameaçados pela sanha justiceira dos promotores. O também tucano Eduardo Azeredo, em que pese a condenação e um processo de mais de uma década, permanece livre das grades.

Ivo Cassol, este do PP, mesmo condenado, livrou-se da prisão. E, claro, nada se compara à caterva do MDB, de extensa folha corrida. Sobre ela, não paira nenhuma ameaça no horizonte próximo.

Procissão medonha

Se quer ser justa, a Justiça deveria vergastar a todos com o mesmo chicote. Do contrário, ela apenas ratifica de maneira pejorativa a máxima – cada juiz, uma sentença – no lugar da “igualdade e a justiça como valores supremos” inscrito no preâmbulo constitucional.

Que não se espere isenção de juízes. Somente o fato de terem eles a discricionariedade de decidir quem e quando julgar já lhes desnuda qualquer aura de imparcialidade.

Mas, caso estejam imbuídos de espírito republicano, é hora de mexer com outros larápios. Tirante crédulos e nefelibatas, ninguém crê que o     PT roubou sozinho – como atestado pela Lava-Jato.

A sanha de procuradores e juízes no encalço do PT exibiu em praça pública um santo do pau oco. Nesta procissão medonha, de explícito despudor moral, há outros santos igualmente ocos de caráter.

A Justiça pode parar por aqui e satisfazer parte da ânsia vingadora do povaréu. Mas, se quiser ser respeitada, ela terá que seguir em frente e julgar outros meliantes do erário igualmente perniciosos aos cofres públicos.

Só assim imporá respeito a políticos de todos os matizes. E, quem sabe, poderá dissipar a imagem de que a Justiça não é cega, mas caolha.

Com um olho, lanceia desafetos. Com o outro, encobre apaniguados.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais