brasil-politica

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade

Imprimir

Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos.

Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica.

O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar.

Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios.

Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/

Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares.

Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato.

Recursos à impunidade

Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema.

Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem.

Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade.

Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade.

[Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/]

Mais deletério ainda é a inclinação desta casta poderosíssima de se arvorar de legislador e salvador da pátria. Perigosa insubordinação, pois não há democracia sem um Legislativo independente e eleito livremente.

Procuradores investigam e acusam. Juízes julgam. Mas ambos têm que se curvar às regras determinadas pelo Parlamento, único poder a se submeter permanentemente ao crivo popular.

Justiça caolha

O voluntarismo acusador e judicante, porém, não invalida a Lava-Jato. Basta ver as confissões de culpa e os bilhões de reais recuperados dos bolsos largos de larápios de colarinho branco.

A realidade, porém, é que partidos infestados de meliantes do erário não se preocupavam com os excessos quando eram praticados contra alvos sem renome. Tampouco a Justiça, hoje célere para alforriar a elite, se via pungida pelos encarcerados anônimos.

O que se vislumbra, diante do furor libertário dos ativistas do Judiciário, é que nada vai mudar para os desvalidos que não dispõem sequer de vintém para contratar rábulas. Já os que conseguem desembolsar maços de reais em espécie para remunerar jurisconsultos de grife comprarão a liberdade com o dinheiro que roubaram.

Se quiser dissipar a imagem de que não é cega, mas caolha, a Justiça terá que adotar critérios universais. Tanto nas penas aplicadas, quanto na rapidez das sentenças.

Caso contrário, perpetuará sua imagem de parcialidade. Com um olho, lanceia desafetos. Com o outro, encobre apaniguados.

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais