brasil

Lideranças que possam transformar o Brasil

Imprimir

A humanidade está em retrocesso. Presenciamos um interminável circo de horrores – atentados, assassinatos, imigrações, guerras, crianças morrendo por desnutrição e outras mazelas do nosso discutível mundo civilizado.

No Brasil convivemos com uma escandalosa injustiça social e uma corrupção explícita onde até a vergonha foi jogada pelo ralo. Vivenciamos uma crise de valores morais e uma escassez de líderes dispostos a superar esse momento trágico.

É preciso destacar e exaltar a importância vital do surgimento de lideranças autênticas e genuínas para a construção de um novo tempo, que nos faça sair da senda da desgraça a que hoje nos submetemos.

Líderes fictícios

Nossos líderes, na sua maioria, não estão à altura para superarmos as crises que vivemos. Focados nos interesses pessoais ou de grupos, não titubeiam diante das repercussões inadequadas de suas ações. Uma pergunta então emerge: O poder corrompe?

O poder é, ou deveria ser, um instrumento para o bem comum. Assim as pessoas investidas no poder devem ser honestas e de caráter firme para não se deixarem corromper, nem promoverem a corrupção. A corrupção e a desonestidade não rondam apenas os escalões mais elevados do poder.

Na atual conjuntura brasileira o cidadão se vê desprotegido, violentado e lesado nos seus direitos, ameaçado por quem o deveria proteger. O mau exemplo das autoridades é corrosivo e induz à corrupção.

Na busca das lideranças

A liderança é um talento que precisa ser identificado e desenvolvido. Howard Gardner define talento “por um arranjo complexo de aptidões ou inteligências, habilidades instruídas e conhecimento, disposições de atitudes de motivações que predispõem um indivíduo a sucessos em uma ocupação, vocação, profissão, arte ou negócio”.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de 4% das crianças e jovens apresentam altas habilidades gerais ou específicas. No Brasil não é fácil a identificação de crianças e jovens com talento de liderança pois a educação brasileira é feita com um tratamento homogêneo dos estudantes, sem reconhecer a diversidade entre eles.

Em adição, as políticas para a identificação e desenvolvimento de talentos no Brasil são incipientes. Especialistas no campo da educação de talentos apontam que a identificação precoce do talento é importante.

De maneira geral as escolas não dispõem de recursos e não têm um corpo docente adequadamente preparado para prover os desafios acadêmicos, sociais e emocionais para proporcionar o desenvolvimento das lideranças.

Quatro dimensões são consideradas importantes para aferir o potencial de liderança: o autodesenvolvimento, a habilidade no relacionamento interpessoal, a visão sistêmica e senso crítico e a responsabilidade. Essas características se manifestam e podem ser percebidas nos primeiros anos de vida e devem ser desenvolvidas no ambiente escolar.

A tendência da aprendizagem ser baseada na discussão de temas e resolução de problemas pode ser considerada como um cenário adequado para o exercício do pensar e da crítica argumentativa. Uma correta visão de um mundo civilizado e o estímulo ao conhecimento geral seriam pré-requisitos para a formação de nossos futuros líderes.

Um ambiente de total liberdade de diálogo e de expressão de pensamentos é absolutamente fundamental para o estímulo na formação de lideranças. Romper com a falsa verdade de que alguém é o dono das verdades e diminuir a importância de seu próprio “eu” também deve fazer parte de um ambiente para a formação de novas lideranças que nos conduzam a um novo Brasil sem desigualdades sociais, em que todos os brasileiros e brasileiras possam realizar os seus sonhos.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais