eleicoes-2018

Lula e previdência pautarão eleição de 2018

Imprimir

O ano de 2018 marcha para se tornar um marco na vida política do Brasil. Mesmo que a alternativa seja aprovar a continuidade do modelo que jogou o País na maior recessão de sua história.

Como o ex-ministro Pedro Malan registrou no Estadão de domingo, 14, “o ano de 2018 será absolutamente crucial para o Brasil e para seu futuro”. “Não apenas para o quadriênio 2019-2022, mas para muito além“, completou.

Desde 1985, quando os militares deixaram o poder central e os civis assumiram as rédeas do País, experimentamos avanços importantes. O mais expressivo, provavelmente, são os 33 anos de democracia ininterrupta.

Houve, ainda, avanços sociais (sobretudo na era Lula) e nos costumes (neste caso, acompanhamos as mudanças mundo afora). Aprendemos também que economia não pode ser tratada com voluntarismo (era Fernando Henrique Cardoso, principalmente).

Tudo que avançamos, tudo que retrocedemos deveu-se sobretudo aos únicos partidos brasileiros expressivos que são mais do que amontoados de interesses paroquiais: PT e PSDB. Satanizar um e outro é coisa de seguidores de seitas. Não cabe em análise distanciada.

A diferença para as demais siglas (tirante nanicos ideológicos) estriba-se em que ambos têm uma visão de Estado. Pode-se discordar, mas os irmãos siameses PT e PSDB propugnam um tipo de Brasil que pressupõem mais adequado.

 

PT & PSDB: protagonismo

Três aspectos, porém, deslustram as duas siglas como protagonistas de uma nova era. Primeiro, as maracutaias sistêmicas em que se meteram, jogando-as na vala comum da política patrimonialista.

Segundo, a incapacidade de pensar conforme os novos tempos – apegando-se, sobretudo o PT, a paradigmas e conceitos gestados no século XVIII. A sociedade e a economia mudaram sobremaneira, mas algumas lideranças persistem em se valer de bases históricas inaplicáveis aos dias de hoje.

Basta comparar o começo e o fim do século XX. Mudanças tecnológicas, revolução de costumes e acesso à informação deixam os extremos dos 100 anos do século passado numa distância abismal.

Terceiro, ambos têm disfunções internas de difícil saneamento. Do lado do PSDB, a incapacidade de atuar com o mínimo de unidade necessária para voltar a governar um país.

Já o PT sofre da síndrome da dependência lulista. O partido quase sempre existiu como invólucro de Luiz Inácio Lula da Silva, em que pese a extensa capilaridade social da agremiação.

Sem ele, tem sua unidade ameaçada. Com ele, abre mão de convicções remanescentes para converter-se num grupo de seguidores de “nosso guia”.

Como a história é inexorável, é com este quadro que aportaremos no limiar de um novo Brasil. As forças políticas emergentes, como os direitistas e os liberais convictos, também serão colocadas à prova.

Bobagem tentar prever o que surgirá em outubro de 2018, quando 146 milhões de eleitores terão o direito de decidir o Brasil que querem a partir de 2019. Mas é possível analisar os cenários que antecedem o pleito.

 

Estado mínimo ou estatizante

Entre outros aspectos, é possível antever dois como preponderantes. A ubíqua participação de Lula e o debate sobre a reforma da previdência.

O ex-retirante nordestino, por mais que queiram seus detratores, terá um papel marcante. Candidato ou cabo eleitoral. Livre ou preso.

Sua resiliência é inigualável. Compará-lo a Getúlio Vargas não é equivocado. Os dois foram os maiores líderes de massa do Brasil.

Lula, no entanto, destaca-se por um detalhe essencial. Preservou em parte sua empatia popular num regime democrático e com a imprensa livre.

Nesta quarta, 24 de janeiro, os três sufetas da 8ª turma do TRF-4 de Porto Alegre decidirão como será a participação do petista nas eleições de 2018. Não terão, porém, o condão de afastá-lo dos embates eleitorais.

Mesmo a “esquerda” que não aprova a elasticidade aliancista de Lula depende dele para manter a esperança de voltar logo ao poder. Numa democracia, não há cela que contenha sua influência eleitoral. Se é capaz de vencer outro pleito, são outros quinhentos.

 

Já a reforma da previdência encerra o debate temático essencial. Qual o Estado que queremos?

Enquanto a chamada esquerda entende que somente o Estado gigamenso é capaz de promover igualdade de oportunidades, distribuição de renda e equidade social, a dita direita quer um Estado enxuto visando os mesmos fins. Este dilema nos emparelha com boa parte do mundo democrático.

Até que ponto o Estado deve interferir na vida dos cidadãos? Até onde a vontade do Estado deve prevalecer sobre a liberdade individual? Quão regulada deve ser uma sociedade? Como preservar o direito de livre empreender?

Assim, o bom confronto de 2018 não deve se limitar a debater o colossal déficit fiscal que engessa as ações do Estado brasileiro, do qual a previdência é um dos propulsores. Mas de escolher entre um Estado onipresente ou um Estado mínimo. Um Estado com muitas estatais ou um Estado que se concentra em cuidar da saúde, da educação e da segurança.

A presença de Lula nas eleições de 2018 é incontornável. Salvo se for trancafiado numa solitária das assépticas penitenciárias federais.

Já o Brasil que os eleitores querem para o porvir é o debate essencial que irá definir nosso rumo. Se vamos continuar na pasmaceira dos recorrentes voos de galinha ou partiremos para um País onde o crescimento econômico e o desenvolvimento social será o padrão, não a exceção.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais