clipping-politica-brasileira

Maia decide não pautar a previdência na próxima semana

Imprimir

Sem a garantia de ter os 308 votos necessários o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, decidiu não pautar o primeiro turno da votação da Reforma da Previdência para semana que vem. Com isso a votação ficaria para a semana do dia 13 de dezembro, dificultando ainda mais que a PEC tramite na Câmara antes do recesso parlamentar.

Lula: quem vota é o povo

Em reunião com dirigentes do PT de São Paulo, o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que estão criando “uma guerra de classe” contra sua candidatura. Disse que seu governo é a prova de que o mercado não precisa temer a sua eleição e que quem vota é o povo e não o mercado. Na mesma reunião apoiou a candidatura de Luiz Marinho para o governo de São Paulo e Suplicy e Haddad para o Senado.

Parlamentares contra a privatização da Eletrobras

Três frentes parlamentares contra a privatização da Eletrobras que somam cerca de 70% do Congresso Nacional mostram a dificuldade que Temer e sua equipe econômica terão para emplacar a sua agenda de ajustes. É também um sinal que a Previdência dificilmente será votada na Câmara ainda em 2017.

PIB

O Globo consultou um grupo de especialistas que confirmam que os dados de recuperação da economia são promissores, apesar do PIB do terceiro trimestre abaixo do esperado.

“O PIB mostrou melhora dos fundamentos da economia: recuperação de emprego, renda, crédito e confiança, sustentaram o consumo, que se manteve firme mesmo com os efeitos do FGTS dissipados”, Alessandra Ribeiro, da Tendências Consultoria.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais