crise

Por que Meirelles disse não, não e não a Lula e sim a Temer

Imprimir

Amigos petistas não entendem como Henrique Meirelles possa ter recusado dois a três convites de Lula para ser o todo poderoso ministro da Fazenda do 2º governo Dilma e aceitado o encargo no governo interino do vice Michel Temer. A questão precisa ser contada do começo. Meirelles, que deixara a presidência mundial do Bank of Boston, no 2º semestre de 2002, para concorrer (e se eleger) a deputado federal do PSDB por Goiás, assumiu o Banco Central no governo Lula a convite do ministro da Casa Civil, José Dirceu, e fez boa dobradinha com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, até a saída de Dirceu na segunda metade de 2005. Dirceu foi trocado pela então ministra das Minas e Energia, Dilma Roussef.

Palocci antes de deixar a Fazenda, em março de 2006 (substituído por Guido Mantega, após a violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo), apresentou, com o apoio de Meirelles, um plano de produção de robustos superávits primários estruturais até 2014, desenhado pelo ex-ministro Delfim Netto, um dos ‘espíritos santos de orelha’ de Palocci e Lula. Pois Dilma torpedeou violentamente o plano, que visava traçar uma trajetória declinante para a dívida pública líquida em relação ao PIB (estava em 41% na época), taxando-o de rudimentar.

Dilma perseguiu Meirelles e chegou a convencer Lula a trocá-lo por Luciano Coutinho (presidente do BNDES que sucedeu a Mantega), quando Meirelles trouxe a notícia de que o Brasil obtivera o grau de investimento das agências de risco em maio de 2007. Dilma teve de engolir Meirelles até o fim do 2º governo Lula. Quando Mantega continuou na Fazenda no 1º governo Dilma, a presidente rasgou de vez a austeridade e lançou a Nova Matriz Econômica, com forte intervencionismo estatal e cruzamento de contas entre Tesouro e bancos públicos.

Após a reeleição, quando a Nova Matriz já fazia água e Dilma já descartara Guido Mantega, Lula insistiu no convite a Meirelles, que, elegantemente, recusou. Lula, então, convidou o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco para ser ministro da Fazenda e o banqueiro declinou, sugerindo Joaquim Levy, um dos vice-presidentes do banco.
Com a saída de Levy, no fim do ano passado, Lula voltou a convidar Meirelles, que novamente recusou. Ele queria ter Meirelles como companheiro do governo no qual não tomou posse.

Por que Meirelles aceitou o cargo agora?

Por que então, Meirelles aceitou agora o encargo com a economia bem mais deteriorada do que em fins de 2014 ou de 2015? Meirelles sabe que se atritaria com Dilma porque jamais receberia carta branca dela e do PT para pôr ordem na casa desarrumada pela política econômica da presidente afastada.

A situação não está nada fácil. O endividamento público líquido chegou a 74% do PIB, tendendo a 79% em 2017 e o risco do Brasil desceu dois degraus abaixo da classificação de investimento. Mas agora Meirelles está seguro de que terá respaldo do novo governo e da base política no Congresso para a adoção de reformas estruturais e às medidas duras para sanear a economia, intervir nos bancos públicos e trazer o endividamento público de volta aos trilhos do razoável.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais