crise

Por que Meirelles disse não, não e não a Lula e sim a Temer

Imprimir

Amigos petistas não entendem como Henrique Meirelles possa ter recusado dois a três convites de Lula para ser o todo poderoso ministro da Fazenda do 2º governo Dilma e aceitado o encargo no governo interino do vice Michel Temer. A questão precisa ser contada do começo. Meirelles, que deixara a presidência mundial do Bank of Boston, no 2º semestre de 2002, para concorrer (e se eleger) a deputado federal do PSDB por Goiás, assumiu o Banco Central no governo Lula a convite do ministro da Casa Civil, José Dirceu, e fez boa dobradinha com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, até a saída de Dirceu na segunda metade de 2005. Dirceu foi trocado pela então ministra das Minas e Energia, Dilma Roussef.

Palocci antes de deixar a Fazenda, em março de 2006 (substituído por Guido Mantega, após a violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo), apresentou, com o apoio de Meirelles, um plano de produção de robustos superávits primários estruturais até 2014, desenhado pelo ex-ministro Delfim Netto, um dos ‘espíritos santos de orelha’ de Palocci e Lula. Pois Dilma torpedeou violentamente o plano, que visava traçar uma trajetória declinante para a dívida pública líquida em relação ao PIB (estava em 41% na época), taxando-o de rudimentar.

Dilma perseguiu Meirelles e chegou a convencer Lula a trocá-lo por Luciano Coutinho (presidente do BNDES que sucedeu a Mantega), quando Meirelles trouxe a notícia de que o Brasil obtivera o grau de investimento das agências de risco em maio de 2007. Dilma teve de engolir Meirelles até o fim do 2º governo Lula. Quando Mantega continuou na Fazenda no 1º governo Dilma, a presidente rasgou de vez a austeridade e lançou a Nova Matriz Econômica, com forte intervencionismo estatal e cruzamento de contas entre Tesouro e bancos públicos.

Após a reeleição, quando a Nova Matriz já fazia água e Dilma já descartara Guido Mantega, Lula insistiu no convite a Meirelles, que, elegantemente, recusou. Lula, então, convidou o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco para ser ministro da Fazenda e o banqueiro declinou, sugerindo Joaquim Levy, um dos vice-presidentes do banco.
Com a saída de Levy, no fim do ano passado, Lula voltou a convidar Meirelles, que novamente recusou. Ele queria ter Meirelles como companheiro do governo no qual não tomou posse.

Por que Meirelles aceitou o cargo agora?

Por que então, Meirelles aceitou agora o encargo com a economia bem mais deteriorada do que em fins de 2014 ou de 2015? Meirelles sabe que se atritaria com Dilma porque jamais receberia carta branca dela e do PT para pôr ordem na casa desarrumada pela política econômica da presidente afastada.

A situação não está nada fácil. O endividamento público líquido chegou a 74% do PIB, tendendo a 79% em 2017 e o risco do Brasil desceu dois degraus abaixo da classificação de investimento. Mas agora Meirelles está seguro de que terá respaldo do novo governo e da base política no Congresso para a adoção de reformas estruturais e às medidas duras para sanear a economia, intervir nos bancos públicos e trazer o endividamento público de volta aos trilhos do razoável.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais