previdencia

Zeina Latif e Paulo Tafner concordam: é melhor reformar a previdência agora

Imprimir

Seria sábio os candidatos darem apoio à reforma da previdência neste ano, pois ela será inevitável em 2019“, escreveu a economista Zeina Latif no Estadão desta quinta, 7. “É melhor disputar a reeleição em um País crescendo a 3,5%, 4%, do que em um País que cresce a 1%, depois de uma recessão profunda“, afirmou o também economista Paulo Tafner em entrevista ao mesmo Estadão.

Latif se referia aos presidenciáveis. Tafner, aos parlamentares federais.

Ambos propugnam o mesmo raciocínio, estribado em dois prognósticos. (1) A reforma terá que vir mais cedo ou mais tarde. Agora, a conta é mais amena. (2) Aprovada, provocará otimismo empresarial. E, com ele, o investimento do setor privado, quem tem dinheiro para desembolsar.

Na segunda, 4, o Blog da Política Brasileira publicou diagnóstico semelhante. “Um presidenciável que adota esta postura [contrária à reforma da previdência] está jogando no seu próprio colo a bomba-relógio que vai estourar as contas públicas”.

Velhos de pijama

Aprovar a reforma antes do pleito de 2018 poupará o sucessor da batalha que o presidente Michel Temer se dispôs a enfrentar. Quem assumir, herdará uma situação fiscal menos trágica.

Ou alguém acredita que o presidente quer reformar a previdência porque detesta velhinhos de pijama? No horizonte, há um cálculo político: o crescimento menos lento e duradouro, como preveem economistas. Não à toa, Fernando Henrique, Lula e Dilma propuseram reformas previdenciárias.

Mas se a economia melhorar, Temer e sua grei chegarão à sucessão fortalecidos e em condições de fazer o sucessor? Em que pese sua abissal impopularidade, é uma possibilidade.

Em contrapartida, quem vencer entra em campo com o time no ataque. Com as contas menos desequilibradas é mais fácil manter inflação, juros e desemprego baixos com renda estável. E popularidade em alta.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais