michel-temer

CNI/Ibope: cresce a avaliação positiva do governo Temer

Imprimir

Pesquisa divulgada hoje pela CNI/Ibope trouxe uma boa notícia para o presidente Michel Temer (PMDB): a avaliação positiva (ótimo/bom) do governo cresceu três pontos percentuais em relação a setembro. O mesmo aconteceu com a regular. Embora a avaliação negativa (ruim/péssimo) também tenha caído três pontos, o índice ainda continua acima dos 70%.

Indicadores econômicos

O aumento na popularidade do governo pode ser atribuído à melhora dos indicadores econômicos, como emprego, inflação e queda dos juros. Mesmo que lentamente, a opinião pública começa a sentir no seu dia-a-dia os reflexos dessa melhoria.

Segundo a pesquisa, a popularidade de Temer cresceu sobretudo entre as pessoas com mais de 55 anos. Nessa faixa etária, a avaliação positiva do governo saltou de 4% para 10%.

De acordo com a CNI/Ibope, também cresceu a aprovação da maneira de governar do presidente (de 7% para 9%), enquanto a desaprovação oscilou negativamente um ponto (de 89% para 88%).

A confiança em Michel Temer também cresceu (de 6% para 9%). Por outro lado, caiu o índice dos entrevistados que não confiam no presidente (92% para 90%).

Previdência: agenda impopular

Uma explicação para os índices negativos de desaprovação do governo é a agenda impopular do Palácio do Planalto (principalmente a reforma da Previdência) e temas relacionados à corrupção. Não por acaso, a notícia mais lembrada pelos entrevistados foi Previdência (19%) e corrupção (12%).

Como a economia continuará tendo uma trajetória lenta de recuperação, a tendência é que a avaliação positiva do governo continue baixa. Além disso, 69% acreditam que a gestão Temer continuará ruim/péssima. 20% afirmam que o governo será regular, enquanto apenas 7% apostam que será ótimo ou bom.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais