politica

A tragédia do óbvio

Imprimir

Ninguém comemorou. Pouca gente lembrou. No último dia 13 se completaram 49 anos da edição do Ato Institucional número cinco. Foi o quinto decreto emitido pelos governos militares. O mais duro e arbitrário. Concedeu poder absoluto ao Presidente da República. Redigido pelo Ministro da Justiça, Luís Antônio da Gama e Silva, foi a resposta do governo às manifestações e passeatas que ocorriam nas principais cidades brasileiras com os militares.

Formalmente, o AI-5 significou a reação dos militares ao discurso deputado Márcio Moreira Alves, que pediu ao povo brasileiro boicotar as festividades de Sete de setembro, em protesto contra o governo militar. Foi um discurso rápido e despretensioso. A Câmara dos Deputados negou a licença para que o deputado fosse processado. Os militares fecharam o Congresso e decretaram a ditadura. Foi o início da mais violenta repressão no país

O Brasil e o mundo mudaram

Ao longo destes quase cinquenta anos o Brasil e o mundo mudaram. Restou quase nada do conflagrado ambiente político dos anos sessenta. A União Soviética se esvaiu. Virou suco, escorreu da existência para os livros de história. O muro de Berlim caiu, os países da Europa Oriental abandonaram o comunismo. A China inovou com o lema um país dois sistemas. O regime político continua fechado. A economia vive um momento de extremo crescimento. O país pobre nos anos sessenta é hoje a segunda maior potência financeira do planeta. Perde apenas para os Estados Unidos.

O Brasil mudou muito. Naquela época, o temor da explosão populacional preocupava estudiosos. Hoje, ao contrário, o país precisa se preparar para o dramático momento a partir do qual a população começará a se reduzir, o que deverá ocorrer em torno de 2030. A imigração estrangeira passará a ser examinada de outra maneira. Será necessária. A reforma da previdência passará ser urgente porque haverá mais idosos do que a força de trabalho capaz de sustenta-los. População menor significa necessidade de investir mais em política públicas abrangentes.

Só a política não mudou

As comunicações hoje não possuem qualquer semelhança com as existentes nos anos sessenta. Tudo mudou. Só não se modificou o discurso político de nossos representantes. A esquerda pratica até hoje o discurso nacionalista em defesa de um operariado que trabalha majoritariamente em empresas de capital estrangeiro. O nacionalismo serve apenas para manter privilégios nas empresas estatais, como se comprovou recentemente, por intermédio dos inquéritos da lava jato. Os monumentais desvios de dinheiro público fotografaram a ineficiência do trabalhismo no poder. Quando o dinheiro acabou, o governo caiu e legou a seus nacionais um rombo de enormes proporções. Roubalheira abissal.

Os militares no Brasil se recolheram aos quartéis. Um ou outro se manifesta sobre política, mas a maioria não quer saber de política. O desgaste da instituição foi muito forte. Na medida em que proibiram o exercício da política pelos civis, eles próprios passaram pelo dissabor de ter que enfrentar as agruras do poder. Ocorreram divisões internas pesadas. Tiveram que lidar com inflação elevadíssima, dívida externa pesada e enfrentar a fortíssima pressão dos banqueiros internacionais. Foi mais fácil devolver o poder aos civis.

Lições da história

Os políticos deveriam olhar para a história. Os caminhos da barganha de votos por benefícios não levou o país a lugar nenhum. Nos anos sessenta, o produto interno bruto do Brasil era muito maior do que o da China ou da Coréia do Sul. Hoje é o contrário. Os brasileiros perderam muito tempo. Alguns deles não perceberam que a solução comunista, sonhada nos anos sessenta, virou miragem. A eleição presidencial será realizada daqui a onze meses. E ainda não há candidatos definidos. E Lula, que não sabe se poderá pleitear a vaga, discursa contra decisões da Justiça. Ele se coloca como um cidadão acima das instituições.

O governo Temer é vacilante porque vive na corda bamba. É dependente do humor dos parlamentares. E anda pagando com cheque sem fundos. Nomeações não são publicadas, recursos não aparecem. Enfim, o dinheiro ficou curto. Por essa razão, a reforma da previdência passou para fevereiro. Oportunistas de todos os quadrantes apostam na possibilidade de todo o quadro piorar. É o cenário ideal para vicejar o discurso de salvação nacional proferido por um oportunista de plantão. O mundo mudou, mas os brasileiros não enxergam. A tragédia do óbvio é não ser percebido.

Publicado no Correio Braziliense em 15/12/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais