politica

Morte e vida

Imprimir

O presidente Michel Temer vive um paradoxo notável. Ele desfilou em Nova Iorque, durante a Assembleia Geral da ONU com aparência despreocupada. Nada o abala. Nenhuma notícia da loucura existente na política nacional faz com que ele perca a postura sempre serena, formal e séria.

Em Brasília, os políticos percebem que ele está se preparando para entrar no último ano de sua rápida administração. Isso significa que ele vai se envolver com a eleição presidencial.

As pesquisas, contudo, indicam que ele figura em baixíssima prioridade na vontade nacional. Ele, aliás, não foi eleito. Foi o vice de Dilma. Portanto, quem o colocou no Palácio do Planalto foi o PT e os seus milhões de eleitores. Petistas, com razão, não apoiam Temer e insistem na tese do golpe constitucional.

O tema já está meio passado, mas vale, ainda, o registro. O presidente ocupa sempre os piores lugares nos índices de popularidade. Os eleitores do PSDB também não gostam muito de sua figura porque ele, afinal, foi o adversário no último pleito. Restam, portanto, poucos grupos para apoiar Michel Temer.

No entanto, ele tem se revelado o melhor operador do Congresso Nacional nos últimos tempos. Enfrentou a fuzilaria do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot. Já caminha agora para esgrimir a segunda denúncia protocolada pelo chefe do ministério público contra ele.

Venceu a primeira com sobras, inteligência e capacidade de organizar suas forças. Deverá vencer a segunda com maior folga. Seu cacife aumentou justamente porque no horizonte começa a aparecer agora a eleição de 2018. E o presidente da República sempre tem como ajudar. E mais ainda como prejudicar uma candidatura.

A diferença entre a política e a economia no mesmo governo é abissal. O Banco Central prevê inflação de 3,2% neste ano. O país verá, segundo a instituição, crescimento de 0,7% do produto interno bruto. O resultado é muito bom. Os especialistas, no início do ano, apostavam em números negativos.

O balanço comercial está superavitário, o desemprego começa a ceder, a indústria automobilística apresenta perspectivas favoráveis e as engrenagens da economia voltaram a girar. A Bolsa de Valores ultrapassou 76 mil pontos. O dólar oscila ao redor de R$ 3,12. O futuro é bonito para quem está no mercado financeiro.

Na política, as perspectivas estão confusas. Os deputados finalmente conseguiram algum acordo na reforma política. Aprovaram o fim das coligações nas eleições proporcionais. Aquela sopa de letras que confundia o eleitor vai acabar, mas só a partir de 2020, quando poderá surgir a federação de partidos.

É invenção um pouco melhor: os partidos que se unirem na eleição terão que se manter unidos durante todo o mandato. Outro quesito importante foi aprovação da cláusula de barreira. Cada partido terá que ter 1,5% do eleitorado em nove estados. Se não alcançar este índice não terá acesso ao fundo partidário, nem a tempo de rádio e televisão. Em 2020, o índice mínimo será de 3%. O número de partidos vai se reduzir.

A eleição do próximo ano vai ser curiosa. Está proibida a doação empresarial, que foi a janela para lavar dinheiro desviado de órgãos públicos. Os candidatos terão que obter recursos em outras fontes. Desviar dinheiro do orçamento é impensável.

O senador Romero Jucá apresentou a solução: acabar com o horário político fora do período eleitoral e utilizar essa verba (que é paga às emissoras) junto com 50% das emendas parlamentares. O total fica em torno de R$ 3,6 bilhões. É bom dinheiro para realizar uma campanha razoável, apesar de a reforma política ter ficado muito abaixo do possível.

Mas o grande show da semana ficou por conta do voto do ministro Gilmar Mendes no julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a decisão de enviar, ou não, a denúncia do PGR à Câmara. Ele foi voto vencido. O resultado ficou em 10 a um.

Mas teve oportunidade de dizer que Rodrigo Janot, como Simão Bacamarte, em O Alienista, de Machado de Assis, deveria pedir a própria prisão provisória. “Mas não teve coragem para isso”. Afirmou que já houve procurador inepto, bêbado, mas não ladrão, referindo-se a Marcello Miller.

Alheio ao tiroteio, Temer transitou tranquilo na passarela brasileira. Os balaços não o atingiram. As delações passaram ao largo. Ele vai chegar ao período eleitoral em seu gabinete no Palácio do Planalto. E mais que isso, em condições de influenciar no processo. Ele deve ser leitor de Nietzsche. “O que não provoca minha morte faz com que eu fique mais forte”. É por aí.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais