politica

Morte e vida

Imprimir

O presidente Michel Temer vive um paradoxo notável. Ele desfilou em Nova Iorque, durante a Assembleia Geral da ONU com aparência despreocupada. Nada o abala. Nenhuma notícia da loucura existente na política nacional faz com que ele perca a postura sempre serena, formal e séria.

Em Brasília, os políticos percebem que ele está se preparando para entrar no último ano de sua rápida administração. Isso significa que ele vai se envolver com a eleição presidencial.

As pesquisas, contudo, indicam que ele figura em baixíssima prioridade na vontade nacional. Ele, aliás, não foi eleito. Foi o vice de Dilma. Portanto, quem o colocou no Palácio do Planalto foi o PT e os seus milhões de eleitores. Petistas, com razão, não apoiam Temer e insistem na tese do golpe constitucional.

O tema já está meio passado, mas vale, ainda, o registro. O presidente ocupa sempre os piores lugares nos índices de popularidade. Os eleitores do PSDB também não gostam muito de sua figura porque ele, afinal, foi o adversário no último pleito. Restam, portanto, poucos grupos para apoiar Michel Temer.

No entanto, ele tem se revelado o melhor operador do Congresso Nacional nos últimos tempos. Enfrentou a fuzilaria do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot. Já caminha agora para esgrimir a segunda denúncia protocolada pelo chefe do ministério público contra ele.

Venceu a primeira com sobras, inteligência e capacidade de organizar suas forças. Deverá vencer a segunda com maior folga. Seu cacife aumentou justamente porque no horizonte começa a aparecer agora a eleição de 2018. E o presidente da República sempre tem como ajudar. E mais ainda como prejudicar uma candidatura.

A diferença entre a política e a economia no mesmo governo é abissal. O Banco Central prevê inflação de 3,2% neste ano. O país verá, segundo a instituição, crescimento de 0,7% do produto interno bruto. O resultado é muito bom. Os especialistas, no início do ano, apostavam em números negativos.

O balanço comercial está superavitário, o desemprego começa a ceder, a indústria automobilística apresenta perspectivas favoráveis e as engrenagens da economia voltaram a girar. A Bolsa de Valores ultrapassou 76 mil pontos. O dólar oscila ao redor de R$ 3,12. O futuro é bonito para quem está no mercado financeiro.

Na política, as perspectivas estão confusas. Os deputados finalmente conseguiram algum acordo na reforma política. Aprovaram o fim das coligações nas eleições proporcionais. Aquela sopa de letras que confundia o eleitor vai acabar, mas só a partir de 2020, quando poderá surgir a federação de partidos.

É invenção um pouco melhor: os partidos que se unirem na eleição terão que se manter unidos durante todo o mandato. Outro quesito importante foi aprovação da cláusula de barreira. Cada partido terá que ter 1,5% do eleitorado em nove estados. Se não alcançar este índice não terá acesso ao fundo partidário, nem a tempo de rádio e televisão. Em 2020, o índice mínimo será de 3%. O número de partidos vai se reduzir.

A eleição do próximo ano vai ser curiosa. Está proibida a doação empresarial, que foi a janela para lavar dinheiro desviado de órgãos públicos. Os candidatos terão que obter recursos em outras fontes. Desviar dinheiro do orçamento é impensável.

O senador Romero Jucá apresentou a solução: acabar com o horário político fora do período eleitoral e utilizar essa verba (que é paga às emissoras) junto com 50% das emendas parlamentares. O total fica em torno de R$ 3,6 bilhões. É bom dinheiro para realizar uma campanha razoável, apesar de a reforma política ter ficado muito abaixo do possível.

Mas o grande show da semana ficou por conta do voto do ministro Gilmar Mendes no julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a decisão de enviar, ou não, a denúncia do PGR à Câmara. Ele foi voto vencido. O resultado ficou em 10 a um.

Mas teve oportunidade de dizer que Rodrigo Janot, como Simão Bacamarte, em O Alienista, de Machado de Assis, deveria pedir a própria prisão provisória. “Mas não teve coragem para isso”. Afirmou que já houve procurador inepto, bêbado, mas não ladrão, referindo-se a Marcello Miller.

Alheio ao tiroteio, Temer transitou tranquilo na passarela brasileira. Os balaços não o atingiram. As delações passaram ao largo. Ele vai chegar ao período eleitoral em seu gabinete no Palácio do Planalto. E mais que isso, em condições de influenciar no processo. Ele deve ser leitor de Nietzsche. “O que não provoca minha morte faz com que eu fique mais forte”. É por aí.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais