concursos-publicos

Motivos que ameaçam a estabilidade do servidor público

Imprimir

Para boa parte da população, uma carreira na administração pública é bastante convidativa. Bons salários e estabilidade são promessas sedutoras, que fazem muitos dedicarem boa parte de seu tempo aos estudos para provas de concursos.

Os servidores públicos estão sujeitos a um regimento de trabalho com regras próprias, chamado regime estaturário. Neste regime, a estabilidade é garantida pelo artigo 41 da Constituição Federal. Existem, porém,  algumas variáveis que podem ameaçá-la.

Servidor e empregado públicos são diferentes

O funcionário público é aquele que ocupa cargos na administração pública direta, fundações e autarquias, como por exemplo, Anatel ou Senado, e segue o regime estaturário. Quem ocupa cargos nas empresas públicas ou sociedades de economia mista, como Banco do Brasil ou Correios é denominado empregado público, e seu regime de trabalho, ao contrário dos servidores, é o da CLT.

Mesmo que nos dois casos, a admissão se dê por meio de concurso, a estabilidade conforme prevista em Constituição é mérito apenas de funcionários públicos, após um período de avaliação contínua, chamado estágio probatório, de 3 anos.

No caso dos empregados públicos, mesmo que não tenham direito à estabilidade, não podem ser demitidos sem justa causa, apenas pela vontade do empregador, como na iniciativa privada, pelo fato destas empresas obedecerem os mesmos princípios da administração pública. Isso confere segurança aos empregados públicos, sendo vantajoso também para estes.

A estabilidade, mesmo que pareça um privilégio, é na verdade um mecanismo que tem por objetivo garantir a continuidade do serviço público, bem como a autonomia dos servidores. Estes, dessa maneira, estariam livres de ingerências políticas, conforme a gestão vigente.

Regras para demissão

Algumas ocorrências podem determinar o desligamento de um funcionário público. Neste caso é instaurado um processo administrativo, e o réu tem direito à ampla defesa. A lista seguinte apresenta motivos passíveis de advertência e de demissão na administração pública:

motivos_demissao_funcionario_publico

Fonte: G1

Lei de Responsabilidade Fiscal pode alterar regras da estabilidade

Os servidores públicos estão submetidos a uma avaliação períodica de desempenho, que também pode botar em risco a estabilidade, conforme proposta de lei complementar, que ainda carece de regulamentação. Avaliar o trabalho do servidor seria uma maneira de evitar que este se torne um peso para a administração pública, contribuindo para que seja mais morosa e burocrática.

Ainda, com a Lei Complementar 101/2000, denominada Lei de Responsabilidade Fiscal, que determina que os governos em todos os âmbitos, não gastem mais do que arrecadem, há risco de demissão de servidores, com incentivo a programas de demissão voluntária, com objetivo de equilibrar as contas públicas.

O corte de servidores é uma medida extrema, e tem sido assunto evitado pelo governo quando se trata do pacote de ajuste fiscal. Existe uma série de medidas anteriores a esta, que espera-se serem suficientes para conter o avanço da crise. Tais medidas poderiam envolver congelamento temporário de salários, e proibir realização de novos concursos.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais

De acordo com Ibope e Datafolha, eleitores apoiam a Velha Política


Pelo visto, o eleitor está satisfeito com os velhos políticos. Pesquisas de intenção de voto – tanto as majoritárias (abundantes) quanto as proporcionais (escassas) – apontam que políticos de velha cepa continuarão no comando dos executivos estaduais e das assembleias legislativas.

Ler mais

Datafolha e Ibope calculam 48 milhões eleitores pensando


As duas últimas pesquisas de intenção de voto do Datafolha (02/10) e Ibope (29-30/10) indicaram nova redução no número de eleitores pensando. São votantes que, na pesquisa espontânea, votam branco, nulo, não sabem ou não responderam.

Ler mais