brasil

Mudando de assunto

Imprimir

Antes que o assunto seja completamente esquecido e substituído pela eterna crise política nacional, vale a pena refletir sobre o tiroteio na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, ocorrido significativamente durante o Rock in Rio, grande festival de música. A metade da cidade se divertia, enquanto a outra parte se escondia das balas perdidas. E os políticos se desentendiam em Brasília.

Nos anos oitenta, no século passado, participei do seminário sobre jornalismo e estabilidade democrática, promovido pelo Centro Internacional de Estudos Superiores de Comunicação para América Latina, o chamado Ciespal.

A sede fica em Quito, no Equador. Naquela época a questão política era contaminada pelos estertores da guerra fria. No Brasil, os retornados pela anistia desejavam influir na produção do novo texto constitucional.

Aparecia cercado de objetivos nobres o Partido dos Trabalhadores, cujo líder era um metalúrgico barbudo, de voz rouca, conhecido como Lula. Em Quito, o debate político girou em torno de outro assunto: o narcotráfico.

A tese era de que, em prazo razoável, o principal adversário das democracias latino-americanas não seriam os comunistas nem as ditaduras militares. Mas os narcotraficantes que operam com grandes quantidades de dinheiro, capazes de corromper desde o guarda da esquina até as mais altas autoridades do país.

No Rio de Janeiro, os governadores, naquela época, fizeram pactos com traficantes, como faziam antes com bicheiros. Nada de assaltos ou constrangimentos aos turistas durante as grandes festas populares. Os governos tratam o assunto de maneira cosmética. Breves declarações, meia dúzia de soldados e agitação na frente das câmeras de televisão. Passada a emergência, tudo retorna à situação anterior.

Na Colômbia, as Forças Armadas Revolucionárias (FARC) não tomaram Bogotá porque não quiseram. Os guerrilheiros seriam obrigados a montar um sistema político. Isso é caro e ineficiente. Não rende nada.

Desejavam apenas manter abertos os caminhos para exportar cocaína para os Estados Unidos, o maior consumidor mundial do produto e outros mercados menores. Assim trabalharam durante décadas, protegendo o produtor e o tráfico com soldados e armas. O sul do país chegou a constituir uma extensa área sob controle da guerrilha. O governo federal não mandava lá.

O acordo entre as FARC e o governo da Colômbia é recentíssimo. O grupo guerrilheiro está em processo de desmobilizar tropas e devolver armas. Vai participar da política no país por intermédio de partidos legalmente organizados.

Mas o cultivo e a produção da cocaína continuam inalterados na Colômbia, no Peru e na Bolívia. O tráfico é organizado e hierarquizado. No Brasil, se a droga é destinada à exportação, percorre os estados do norte. Boa parte sai pelo Suriname tendo como destino a Europa. A novidade é que hoje parte da droga pode estar sendo produzida dentro do território brasileiro.

Quando o produto é encaminhado para os estados do sul, o objetivo principal é abastecer os mercados do Rio de Janeiro e de São Paulo. Quem conhece a cidade do Rio de Janeiro, e sabe onde fica a Rocinha, sabe que a favela está numa posição estratégica.

Ela abastece consumidores do Leblon, Ipanema, Gávea e atende toda a zona oeste, Barra da Tijuca. Ou seja, a posição é excepcional. Vale um tiroteio. Ainda mais no momento que se realiza o Rock in Rio, quando o consumo de drogas é excepcional. Exatamente como acontece no Carnaval. Só há traficante porque há demanda.

A polícia sabe onde a droga é vendida. O proprietário da boca de fumo nem sempre é favelado. O gerente da boca opera o negócio, passa parte dos lucros para o patrão. No alto desta cadeia de comércio está o produtor da cocaína.

São grupos poderosos comandados por jovens que cursaram as melhores universidades do mundo. São fluentes em vários idiomas. O mundo das drogas é muito rico e influente. A guerra do Afeganistão não terminou, até hoje, por causa do ópio que é largamente produzido naquele país. Entra nos Estados Unidos por todos os poros.

O governo do Rio de Janeiro, corrupto e desorganizado, nunca se preocupou de fato com as drogas. Ao contrário, caminhou ao lado. Quem vai à praia sente o cheiro de maconha. O Exército brasileiro não tem capacidade operacional para enfrentar essa bem armada e organizada guerrilha urbana.

A polícia carioca muito menos. O tráfico é, de fato, a principal ameaça à democracia brasileira. Se operar junto com alguns políticos ou empreiteiros brasileiros terá capacidade destruir qualquer regime no continente.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais