outros-temas

Painel: Murillo de Aragão fala sobre Eleições 2018

Imprimir

O cientista político Murillo de Aragão, sócio da consultoria Arko Advice, foi um dos entrevistados do programa Painel, com William Waack, no canal Globo News. Foram analisadas as mudanças que deverão ocorrer nas Eleições de 2018, com a Reforma Política, aprovada na semana passada no Congresso.

Murillo destacou, no que se refere ao eleitor, de que este tem sua parcela de culpa no cenário atual, uma vez que não se conecta com a política. A responsabilidade, portanto, não é exclusividade do mundo político.

Foi consenso entre os entrevistados que a reforma aprovada está longe de ser a ideal, mas para o cientista político, ainda assim é uma oportunidade de renovação. O paradoxo reside no eleitorado, que mesmo não se conectando em profundidade com a política, deverá votar de forma mais consciente no próximo pleito.

Os partidos políticos, as organizações suprapartidárias e o financiamento de campanhas também foram tópicos de discussão. Assista o programa na íntegra:

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais