brasil

Não são 47, mas 58 milhões os que rejeitaram Bolsonaro

Imprimir

As eleições de 2018 caracterizaram-se mais pelo voto contra do que o favorável. Como registrado aqui na Arko News, a ira foi a principal conselheira dos eleitores.

Leia mais: A ira como conselheira [https://arkonews.com.br/a-ira-como-conselheira/]

De acordo com a Justiça Eleitoral, 47 milhões de eleitores explicitamente rejeitaram Jair Bolsonaro, o presidente eleito do Brasil. Este contingente (31,93% do eleitorado) votou no candidato derrotado, Fernando Haddad.

Há, porém, um expressivo número de votantes que optaram pelo voto nulo ou branco. Somam 11 milhões (9,57%).

Somados, os que optaram por Haddad, brancos e nulos totalizam 58,1 milhões (39,46%). Mais do que os votantes no candidato eleito: 57,7 milhões (39,23%).

É como se para cada brasileiro que disse “sim” a Bolsonaro há outro que desferiu um “não” no novo mandatário.

Considerados todos os eleitores, porém, a rejeição é muito maior.

Um quinto do eleitorado (21,30%) sequer foi às urnas exercer seu direito (anacronicamente, a Constituição ainda trata o voto como dever). Foram 31,3 milhões de eleitores que se abstiveram de comparecer às zonas eleitorais.

Com esta expressiva parcela, sobe para 89,5 milhões (60,76%) os cidadãos que, apesar do direito, não sufragaram Bolsonaro como presidente. O número é a soma de votos em Haddad, branco, nulos e abstenção.

Mesmo considerando que um naco da abstenção se deve a cadastros desatualizados, o percentual que não escolheu Bolsonaro é muito alto. Parte da abstenção pode ser ainda resultado da indiferença, mas isto não muda o índice gigamenso de rejeição.

Espírito bélico

Certo, a soma de brancos e nulos mais a abstenção também superaram à larga os votos em Haddad. Ocorre que o candidato ungido por Lula não tem mandato.

Caso 2018 siga o padrão de eleições passadas, as primeiras pesquisas de opinião a respeito do presidente eleito indicarão um percentual superior aos 39,23% por ele angariados nas urnas. A rejeição inicial, porém, está sacramentada.

Se não quiser governar quatro anos com o desprezo de mais da metade da população, Bolsonaro deve incialmente tentar conquistar os 42,4 milhões que não se dispuseram a votar em nenhum dos dois finalistas. Caso seja bem-sucedido nesta empreitada, o próximo passo seria o de seduzir os 47 milhões que escolheram Haddad.

Tarefas que irão exigir do novo presidente um desarmamento do espírito bélico que fez questão de empunhar durante todo o pleito de 2018. Difícil para quem se elegeu prometendo armar a população e metralhar os adversários.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais