estados

Amazonino Mendes vence eleição no Amazonas

Imprimir

Com 59,28% dos votos válidos, Amazonino Mendes (PDT) foi eleito o novo governador do Amazonas. Ele superou o ex-ministro e senador Eduardo Braga (PMDB-AM) que conquistou 40,72%. No primeiro turno, a vantagem também tinha sido de Amazonino, que superou Eduardo Braga por 38,77% contra 25,36% dos votos válidos.

O deputado estadual Bosco Saraiva (PSDB) foi eleito vice-governador na chapa encabeçada por Amazonino. Além de PDT e PSDB, a aliança foi composta por DEM, PV, PSD, PRB e PSC. O novo governador eleito, que já ocupou o cargo em três outras oportunidades, teve o apoio do atual prefeito de Manaus (AM), Arthur Virgílio (PSDB).

O Amazonas realizou eleições suplementares depois que José Melo (PROS) e Henrique Oliveira (SD), governador e vice eleitos em 2014, foram cassados por compra de votos. Desde a cassação de Melo e Oliveira, ocorrida em 09 de maio, o Estado é governado pelo presidente da Assembleia Legislativa, David Almeida (PSD), que no primeiro turno da eleição suplementar apoiou Rebecca Garcia.

O resultado de hoje, além de uma vitória do PDT, que agora passa a contar com dois governadores (Amazonino Mendes no Amazonas e Waldez Góes no Amapá), ambos localizados na região Norte do país, também marca uma derrota do PMDB que faz oposição ao presidente Michel Temer (PMDB).

Vale lembrar que Eduardo Braga, assim como os senadores peemedebistas Renan Calheiros e Kátia Abreu, fazem oposição ao governo na bancada.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais