eleicoes-2018

O banco de reservas Petista

Imprimir

Todo bom time de futebol é feito não apenas de 11 jogadores titulares, mas também de um banco de reservas que substitua à altura e mantenha o time em bom nível e com as chances de vitória. Na política, não é diferente.

A condenação de Lula em segunda instância, de maneira unânime, pelo TRF-4, inviabiliza o caminho do ex-presidente ao Palácio do Planalto. O PT tem traçada a estratégia de manter a candidatura de Lula até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impedi-lo de disputar o Planalto novamente, como preveem ministros da Corte.

Para o PT, é fundamental um substituto que consiga chegar o mais próximo do peso que o ex-presidente teria na corrida eleitoral. Sem um plano B, ou até mesmo sem um candidato à presidência – ou se apoiando em nomes de fora do partido, como Ciro Gomes -, o partido acaba perdendo voz e impacto nas campanhas estaduais e federais.

Cabe ressaltar que o PT não abrirá o jogo sobre o possível reserva imediato de Lula, pelo menos não até agosto. Qualquer nome que seja apresentado por agora fará com que o partido assine um atestado de culpa para o ex-presidente e jogue, de maneira oficial, a toalha na campanha.

Fernando Haddad

O ex-prefeito de São Paulo é um dos nomes mais especulados nos bastidores. Haddad foi o escolhido para coordenar o programa de governo que Lula apresentaria durante a campanha deste ano. Portanto, teria a benção e a confiança do ex-presidente. Haddad é, ainda, um nome que agrada o lado mais à esquerda do partido, inclusive a juventude petista.

Contra o seu nome pesa um inquérito da Polícia Federal, no qual foi indiciado por caixa dois, aberto em 2015 após a delação de Ricardo Pessoa, da construtora UTC. Outro ponto negativo para Haddad é o seu histórico eleitoral recente. Em 2016, foi derrotado na tentativa de se reeleger prefeito de São Paulo, em uma disputa que, de forma histórica, foi decidida ainda no primeiro turno.

Haddad deixou o mandato de prefeito com uma avaliação positiva (ótima ou boa) de apenas 14% da população e uma rejeição (ruim e péssima) de 48%, segundo pesquisa Datafolha de 2016.

A possibilidade de Haddad substituir Lula divide o PT. Se parte do partido defende seu nome, outra é contra, por causa de críticas que o ex-prefeito fez à legenda e à ex-presidente Dilma Rousseff.

Jaques Wagner

Um dos amigos de longa data e mais próximos de Lula, Wagner poderia ser o nome escolhido para ocupar a vaga de candidato à Presidência.

Nome bem visto pela “velha-guarda” do partido, ele é um veterano eleitoral e político de sucesso, tendo sido eleito e reeleito governador da Bahia, além de deputado federal por 3 mandatos, e ocupado os cargos de ministro do Trabalho e das Relações Institucionais no Governo Lula e ministro da Casa Civil e da Defesa no Governo Dilma.

Sua primeira vitória para o governo, em 2006, foi no primeiro turno com 53% dos votos. Em 2010, ele teve 64% dos votos e derrotou Paulo Souto, do DEM, pela 2ª vez consecutiva. Souto sofreria nova derrota em 2014 pelo candidato do governador, Rui Costa, que teve 54% dos votos válidos.

Outro ponto favorável para Wagner é o recente resultado petista na Bahia, no cenário nacional. Em 2006, Lula teve 67% de votos válidos no 1º turno e 78% no 2º. Em 2010, Dilma teve 47% no 1º e 71% no 2º turno e em 2014 foram 61% e 70% respectivamente. Wagner seria o nome certo para aumentar esses números petistas na Bahia.

No entanto o ex-ministro não é um nome que anime as massas de outras regiões do país (e nem mesmo nos outros estados do Nordeste), e até mesmo das alas mais jovens do PT (onde Haddad tem a maioria do apoio). Também pode pesar negativamente a proximidade de Jaques e Lula, o que seria um prato cheio para as campanhas adversárias.

Fernando Pimentel

O ex-governador mineiro foi um dos nomes lembrados por Lula, junto de Jaques Wagner, em agosto de 2017 como possíveis substitutos da campanha presidencial.

Pesa contra Pimentel a própria falta de interesse de brigar pela presidência. Para o governador mineiro, conquistar uma vaga no Senado é visto pelos aliados do petista como uma maneira mais fácil de ser eleito e manter o foro privilegiado, prerrogativa que perderia caso não fosse eleito para outro cargo.

Pimentel é réu na operação Acrônimo. O petista é acusado de corrupção passiva, tráfico de influência e lavagem de dinheiro. Ele teria beneficiado, em troca de propina, a montadora Caoa e as empreiteiras Odebrecht e JHFS quando era ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Governo Dilma.

Por mais que Pimentel agrade os petistas e seja um nome com vitórias recentes em seu estado, o individualismo pode falar mais alto e fazer com que ele não “entre em campo”.

Gleisi Hoffmann

A atual presidente do PT é quem mais se manifesta em defesa de Lula. O ex-presidente apoiou a candidatura de Hoffmann para comandar a legenda e, em diversos momentos, discursou mostrando confiança em sua capacidade de unir o partido.

Gleisi seria uma nova tentativa do PT de emplacar uma mulher na presidência do país, chamando para si o apoio dos movimentos sociais e a militância mais ativa do partido (com quem a senadora possui relações bem próximas).

O fato de Gleisi e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, serem réus na Operação Lava-Jato pesa contra a senadora. Movimentos antipetistas, como o Movimento Brasil Livre, já pediram em diversos momentos que o STF dê celeridade no julgamento e a condene.

Ela é acusada de receber, de forma ilegal, um milhão de reais para a sua campanha ao Senado em 2010, e o dinheiro seria fruto do Petrolão. Gleisi, obviamente, nega as acusações, mas entende (mesmo que não se manifeste publicamente) que é necessário manter o foro privilegiado e, assim como Fernando Pimentel, deve mesmo decidir por uma reeleição ao Senado.

E a definição?

Mesmo com essas opções, a definição petista para o substituto de Lula será feita, ao menos de maneira oficial, somente aos 48 do segundo tempo, quando o TSE rejeitar sua candidatura com base na Lei da Ficha Limpa.

Existe ainda a possibilidade de Lula concorrer com a sua candidatura sub judice, buscando de maneira forçosa a sua participação na eleição. Essa decisão geraria um clima de instabilidade e maior incerteza dentro do país, independentemente do resultado da eleição.

Fato é que estamos ainda no começo do segundo tempo e muita coisa ainda acontecerá no jogo político para a Presidência da República.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais