brasil-politica

O caos organizado

Imprimir

Em seu notável romance, A festa do Bode, Mário Vargas Llosa descreve o ambiente político na República Dominicana, em 1961, sob a implacável tirania do generalíssimo Trujillo. A ação da narrativa ocorre no momento em que os rebelados comunistas, de barba e bigode, copiados dos vizinhos cubanos, decidiram matar o tirano. Os norte-americanos mandam a Marinha cercar a ilha para evitar que o pessoal de Fidel Castro exercesse qualquer influência naquele teatro.

O discreto advogado Joaquim Balaguer vai se movimentando até alcançar o poder. Quieto, sem maiores espalhafatos, ele chega lá. Os rebeldes, no melhor estilo latino, dão vivas à revolução, enchem a cara de rum, vivem romances voluptuosos, matam o ditador, acertam o motorista e naturalmente são presos. E aí o poder começa a pular de cadeira em cadeira até chegar aquele pacato advogado. Sempre sob o olhar atento dos norte-americanos.

No Brasil, de hoje, não há um cerco evidente de norte-americanos. Mas as condicionalidades do mercado financeiro funcionam de maneira parecida. Afinal de contas, a ex-presidente Dilma Rousseff começou a cair quando seu governo se mostrou incompetente para reverter a recessão e o desemprego devastadores que haviam tomado toda a economia nacional.

Ninguém, contudo, votou em Michel Temer para presidente da República. Seus principais auxiliares são parlamentares, uns com mandato, outros sem. Mas, pertencem a uma espécie rara: são operadores políticos com longa experiência.

Cada um tem sua história. Jamais trabalharam juntos na atual dimensão e intensidade. O governo Temer é a resultante deste esforço. Cada um puxa numa direção. E o presidente não é um líder. Ele transita entre as várias alas de sua administração, tratando de aparar arestas aqui e ali e vencer os tremendos obstáculos colocados pelo Ministério Público à sua frente. Trata-se de um governo completamente diferente dos antecessores. É um encontro de vontades que nem sempre apontam na mesma direção.

A relação com a imprensa é notável. Cada ministro e assessor de alto nível no Palácio tem seu jornalista preferido. As notícias oficiais e supostamente sigilosas vazam sem qualquer cerimônia. O porta-voz não tem o que portar. As notícias chegam às redações antes de desembarcar na sala de imprensa do próprio Palácio do Planalto. Isso faz parte do jogo político.

Cada um dos polos de poder, existentes no governo, tem objetivos próprios e rumos definidos de acordo com a sua estratégia na região onde possui influência política. Trata-se de uma administração algo errática. Faz e desfaz com a maior naturalidade.

É uma colcha de retalhos partidária. É preciso trabalhar apoiado em todas as legendas para alcançar os objetivos pretendidos. Temer deverá ultrapassar a denúncia proposta por Rodrigo Janot, que também trabalhou com base em vazamentos seletivos por intermédio de uma boa turma de assessores de imprensa. O objetivo era fazer circular gravações, rumores e boatos e colocar a República em estado de sobressalto. Conseguiram.

Temer não cai porque manobra bem no Congresso Nacional. Sua turma entende do riscado e também porque não há adversário em posição de assumir as responsabilidades da Presidência da República. Há muito de pragmatismo no momento atual da política brasileira. Ao que parece, a segunda denúncia de Janot deverá ser o último obstáculo a ser ultrapassado pelo presidente. Depois disso, ele terá que lutar pelas reformas anunciadas e trabalhar para organizar a eleição de 2018.

Não há candidatos definidos até agora. Temer já disse que o PMDB deverá ter um nome para apresentar aos eleitores. Difícil, mas não impossível. Esse grupo, experimentado e veterano de tantas guerras, sobrevivente porque não está atrás das grades, terá oportunidade de construir uma candidatura. Talvez seja este o único momento em que o grupo poderá caminhar junto e na mesma direção. Gente com tamanha experiência na política não pretende entregar o poder para qualquer arrivista que aparecer no horizonte.

Não há, até agora, candidaturas consolidadas à Presidência da República. O grupo que resistiu ao MPF ficou mais forte e capaz de construir um candidato com chances de vitória. O esporte de engolir sapos, sem reclamar, permitiu que o grupo agisse como Juan Balaguer, na República Dominicana. Discretamente, manobrou para sentar na cadeira presidencial e se preparar para desenhar o futuro político do país.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais