eleicoes-2018

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan

Imprimir

Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Pedro Malan, economista que ajudou a consolidar no Brasil o conceito de responsabilidade fiscal, não descarta ver a Presidência da República entregue a um messias a partir de 2019. Ele não cita nomes.

Ligado ao PSDB, ele chega a elogiar os programas de transferência de renda implantados por Lula. Indiscutível, porém, que a “ideia Lula”, mais do que nunca, transmutou-se no papel de salvador da pátria.

Donde é seguido de perto por Jair Bolsonaro, a imagem escarrada do salvador. De fato, Lula e Bolsonaro não têm militantes, têm seguidores.

De novo, um salvador da pátria?

A visão do ex-ministro da Fazenda foi exposta em entrevistas divulgadas no dia 25 de agosto em três dos principais matutinos brasilianos: O Globo, Estadão e Folha de S. Paulo. “A ideia de que é possível um messianismo, um salvador da pátria, não serve para o Brasil de 2018”, refuta ele.

https://oglobo.globo.com/economia/o-brasil-esta-sob-riscos-alerta-ex-ministro-pedro-malan-23010342

https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,estamos-num-curso-insustentavel-afirma-pedro-malan,70002472401

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/08/faltou-um-pouco-de-generosidade-para-o-presidente-lula-diz-pedro-malan.shtml

Em algum momento serviu? Bem, a maioria dos eleitores de 1989, quando Fernando Collor foi eleito, achou que servia. Porém, em pouco tempo, os votantes do século passado perceberam que estavam errados.

Quase três décadas depois, vamos outra vez eleger um messias para nos salvar?

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais