oposicao

A oposição ao novo governo

Imprimir

Na Câmara dos Deputados, a chamada oposição programática ao novo governo, de Michel Temer (PMDB), compreende PT, PDT, PCdoB, PSOL e REDE. Com algumas dissidências declaradas na base governista (Silvio Costa e Cabo Daciollo, ambos do PTdoB), chega-se a 100 deputados federais.

No Senado, em termos partidários, a oposição se restringe a PT, PDT, PCdoB e REDE. No entanto, em muitos casos haverá adesão de integrantes de outros partidos da base, como PSB (Capiberibe e Lídice da Mata), PPS (Cristovam Buarque) e até mesmo PMDB (Roberto Requião), além do senador Antônio Reguffe (Sem Partido-DF), podendo chegar, no limite, aos mesmos 20 votos dados contra o impeachment.

Portanto, não havendo dissidências na base em nenhuma das Casas, a oposição não terá número suficiente para barrar a aprovação de matérias de interesse do governo Temer. Além de ser numericamente inferior, a oposição, principalmente o PT, terá inicialmente dificuldades de construir um discurso alternativo ao presidente Michel Temer.

Apesar do legado social do lulismo, ao qual os petistas costumam fazer referência, o impedimento de Dilma Rousseff deixa uma marca extremamente negativa para a legenda. Sem falar na imagem de corrupção e de descontrole da economia associada ao partido, que trouxe como consequência o aumento do desemprego e da inflação, fazendo crescer fortemente o sentimento antipetista entre a opinião pública.

Além de a maior força de oposição estar fragilizada, os adversários de Michel Temer têm grande dificuldade de formular uma estratégia de ação comum. Com exceção de PT e PCdoB, os demais partidos podem divergir em relação ao modo de atuação frente à gestão Temer.

Assim, no curto prazo, a oposição no Congresso dependerá de eventuais dissidências na base governista para impor derrotas ao Palácio do Planalto.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais