brasil-politica

Orçamento da União para 2018 em pauta

Imprimir

O presidente Michel Temer viaja para a China a fim de participar da reunião do Brics e de encontros com autoridades e investidores. Até quinta-feira (31), o governo encaminha o Orçamento da União para 2018.

Na Câmara, haverá novo esforço para tentar votar a Reforma Política. O Senado vota indicações para duas diretorias do Banco Central. A Comissão Mista de Orçamento tenta votar as novas metas fiscais de 2017 e 2018. A previsão do déficit é de R$ 159 bilhões. Veja a seguir o clima político da semana:

Governo encaminha Orçamento de 2018 ao Congresso

O governo encaminha ao Congresso Nacional, até quinta-feira (31), a proposta de Orçamento da União para 2018. A matéria será analisada pela Comissão Mista de Orçamento. O relator será o deputado Cacá Leão (PP-BA).

O Orçamento é elaborado com base na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente Michel Temer. Embora a LDO preveja um déficit de R$ R$ 129 bilhões para o próximo ano, o governo alterou a meta para R$ 159 bilhões. O texto já está sob análise dos parlamentares.

A LDO também definiu em R$ 979 o valor do salário mínimo para o próximo ano. Entretanto, o valor deve ficar em R$ 969. Hoje, está em R$ 937.

TENDÊNCIA: Aprovação do Orçamento até dezembro

Câmara tenta, mais uma vez, votar Reforma Política

A Câmara tenta novamente votar a Reforma Política. Há duas propostas em discussão. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 77/03, que trata da criação de um fundo para financiar campanhas eleitorais e da adoção do “distritão” em 2018 e do “distritão misto” a partir de 2020; e a PEC nº 282/16, que trata da adoção da cláusula de barreira, do fim das coligações nas eleições proporcionais e da criação da federação de partidos.

Não há acordo para a votação das propostas. Além disso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não conduzirá a sessão. Ele assumirá interinamente a Presidência da República na terça-feira (29), por conta da viagem de Michel Temer à China. Seu resultado, portanto, é imprevisível. Se aprovadas pela Câmara, as propostas serão enviadas ao Senado.

TENDÊNCIA: Aprovação incerta

CAE do Senado analisa indicações para a diretoria do Banco Central

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado sabatina duas indicações do presidente Michel Temer para compor a diretoria do Banco Central. Trata-se de Paulo Sérgio Neves de Souza e de Maurício Costa de Moura. Os dois já são servidores do BC.

Paulo Sérgio é o titular do Departamento de Supervisão Bancária (Desup), que fica em São Paulo, e Maurício de Moura é chefe de gabinete do presidente do BC, Ilan Goldfajn. Uma vez aprovados pela CAE, os nomes seguem para análise do plenário.

A próxima reunião do Comitê de Política Monetária do BC para definir a taxa básica de juros (Selic) está marcada para os dias 5 e 6 de setembro. Portanto, os dois indicados já devem participar da reunião.

TENDÊNCIA: Aprovação

Câmara vota MP que cria TLP

O plenário da Câmara deve concluir, na terça-feira (29), a votação da Medida Provisória nº 777/17, que cria uma nova taxa para os empréstimos oferecidos pelo BNDES. A Taxa de Juros de Longo Prazo (ou TJLP), em vigor desde 2001, será substituída pela Taxa de Longo Prazo (ou TLP), a partir de 1° de janeiro de 2018.

A diferença entre as duas está na fórmula de cálculo. A TJLP é definida pelo governo com base na expectativa da inflação. A TLP levará em conta os juros pagos pelo governo na negociação dos títulos públicos. Ou seja, será uma taxa mais próxima das condições do mercado.

A medida precisa ser aprovada até o dia 6 de setembro. Caso contrário, perde validade. Uma vez aprovada pela Câmara, segue para o Senado. Se a MP perder validade, o governo poderá encaminhar projeto de lei em regime de urgência constitucional com o mesmo teor.

Com a urgência, cada Casa teria 45 dias para analisar e votar o projeto. Do contrário, ele passaria a trancar a pauta.

TENDÊNCIA: Aprovação na Câmara e envio ao Senado

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais