brasil

Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário

Imprimir

Quando decidiram que era tarde da noite para decidir sobre a prisão em segunda instância, os juízes da Suprema Corte abriram uma brecha para a soltura dos meliantes do erário. Se decretarem a alforria de ladrões graúdos, os onze supremos sufetas estarão sepultando a Lava-Jato.

A possibilidade da prisão em segunda instância aliada às delações premiadas provocou um torvelinho de proporções nunca antes vistas em terras brasilianas. Pela primeira vez, a elite branca e rica, e corrupta, se viu ameaçada pelo xilindró.

Patrimonialista, a elite da terra brasillis acostumou-se a depredar o patrimônio público. Não se tem notícia de que, antes da operação policial, ela tenha sido barrada em sua sanha larápia.

Com técnica investigatória, determinação legal e estratégia de mídia, um grupo de delegados, procuradores e juízes avançou sobre os que rotineiramente avançavam sobre o erário. Os meliantes do erário fizeram o que sempre fizeram. Quem fugiu do script foram os investigadores.

Ratazanas em Rondônia

Governo plantonista, o PT seguiu os passos dos partidos que mandam no Brasil há 33 anos. PMDB e PSDB, em proporções diferentes, já se refestelaram nos cofres escancarados do erário.

Chegada a hora dos endinheirados de diversos matizes padecerem os horrores dos cárceres tupiniquins, os juízes do STF sinalizaram que é chegada a hora de parar. Quem foi preso, solto será.

Quem está solto, livre ficará das “masmorras” de Cardozo. Masmorras que voltarão a ser reservadas exclusivamente à gentalha.

Caso das detentas de Rondônia. Em reportagem de 2m50s no dia 14 de março, o Jornal Nacional exibiu ratos rotundos esgueirando-se lépidos no Presídio Feminino de Porto Velho.

“O inferno do sistema carcerário brasileiro revelou mais uma situação estarrecedora”, começou William Bonner. O âncora da TV Globo poderia ter ido mais longe se quisesse editorializar a reportagem.

As 130 presas eram, na verdade, submetidas à tortura. Imagine, leitor, gordos ratos subindo sua cama durante o sono ou mordiscando sua canela.

As “masmorras” de Cardozo são assim. Nem PSDB, nem PMDB, nem PT se preocuparam com suas condições degradantes.

Ratos na Lava-Jato

Caso a Corte Suprema decida que, como dantes, chicanas jurídicas infindáveis são devidas aos condenados, o País retornará ao apartheid carcerário. A elite branca e rica, e corrupta, prosseguirá distante dos calabouços.

Afora sua condição, em si só salvo-conduto à liberdade, a elite tem recursos para contratar os melhores advogados – aqueles que têm acesso aos juízes. Permanecerá do lado de fora dos presídios.

Do lado de dentro, pobres. Em geral, negros.

Do lado de dentro, nem mesmo a percepção de justiça vai mudar. Afinal, a ralé não sabe o que é recurso, muito menos instância. E, se souber, não pode contratar sequer rábulas.

Basta ver o que disse uma anônima detenta da penitenciária de Porto Velho. “Nós sabemos que a gente tamo privado da nossa liberdade porque nós cometemo nossos erro. Então, a gente tem que pagar”, disse uma delas, resignada.

“Mas nós somos ser humano, né? Na situação que a gente vivendo, nenhum animal não merece”, suplicou.

Do lado de dentro, a escumalha sabe que basta um delegado ou um PM subalterno para trancafiar o indigitado. A depender do STF, os ratos que afligem as detentas de Rondônia não irão conhecer os ratos da Lava-Jato, aqueles que chafurdam do lado fora.

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais