brasil

Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário

Imprimir

Quando decidiram que era tarde da noite para decidir sobre a prisão em segunda instância, os juízes da Suprema Corte abriram uma brecha para a soltura dos meliantes do erário. Se decretarem a alforria de ladrões graúdos, os onze supremos sufetas estarão sepultando a Lava-Jato.

A possibilidade da prisão em segunda instância aliada às delações premiadas provocou um torvelinho de proporções nunca antes vistas em terras brasilianas. Pela primeira vez, a elite branca e rica, e corrupta, se viu ameaçada pelo xilindró.

Patrimonialista, a elite da terra brasillis acostumou-se a depredar o patrimônio público. Não se tem notícia de que, antes da operação policial, ela tenha sido barrada em sua sanha larápia.

Com técnica investigatória, determinação legal e estratégia de mídia, um grupo de delegados, procuradores e juízes avançou sobre os que rotineiramente avançavam sobre o erário. Os meliantes do erário fizeram o que sempre fizeram. Quem fugiu do script foram os investigadores.

Ratazanas em Rondônia

Governo plantonista, o PT seguiu os passos dos partidos que mandam no Brasil há 33 anos. PMDB e PSDB, em proporções diferentes, já se refestelaram nos cofres escancarados do erário.

Chegada a hora dos endinheirados de diversos matizes padecerem os horrores dos cárceres tupiniquins, os juízes do STF sinalizaram que é chegada a hora de parar. Quem foi preso, solto será.

Quem está solto, livre ficará das “masmorras” de Cardozo. Masmorras que voltarão a ser reservadas exclusivamente à gentalha.

Caso das detentas de Rondônia. Em reportagem de 2m50s no dia 14 de março, o Jornal Nacional exibiu ratos rotundos esgueirando-se lépidos no Presídio Feminino de Porto Velho.

“O inferno do sistema carcerário brasileiro revelou mais uma situação estarrecedora”, começou William Bonner. O âncora da TV Globo poderia ter ido mais longe se quisesse editorializar a reportagem.

As 130 presas eram, na verdade, submetidas à tortura. Imagine, leitor, gordos ratos subindo sua cama durante o sono ou mordiscando sua canela.

As “masmorras” de Cardozo são assim. Nem PSDB, nem PMDB, nem PT se preocuparam com suas condições degradantes.

Ratos na Lava-Jato

Caso a Corte Suprema decida que, como dantes, chicanas jurídicas infindáveis são devidas aos condenados, o País retornará ao apartheid carcerário. A elite branca e rica, e corrupta, prosseguirá distante dos calabouços.

Afora sua condição, em si só salvo-conduto à liberdade, a elite tem recursos para contratar os melhores advogados – aqueles que têm acesso aos juízes. Permanecerá do lado de fora dos presídios.

Do lado de dentro, pobres. Em geral, negros.

Do lado de dentro, nem mesmo a percepção de justiça vai mudar. Afinal, a ralé não sabe o que é recurso, muito menos instância. E, se souber, não pode contratar sequer rábulas.

Basta ver o que disse uma anônima detenta da penitenciária de Porto Velho. “Nós sabemos que a gente tamo privado da nossa liberdade porque nós cometemo nossos erro. Então, a gente tem que pagar”, disse uma delas, resignada.

“Mas nós somos ser humano, né? Na situação que a gente vivendo, nenhum animal não merece”, suplicou.

Do lado de dentro, a escumalha sabe que basta um delegado ou um PM subalterno para trancafiar o indigitado. A depender do STF, os ratos que afligem as detentas de Rondônia não irão conhecer os ratos da Lava-Jato, aqueles que chafurdam do lado fora.

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais