eleicoes-2018

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro

Imprimir

Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta, 10.

De acordo com o instituto, a diferença entre ambos é cerca de 20 milhões de votantes. Equivalem, por exemplo, à soma dos eleitores do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Como são apenas dois contendores, cada eleitor que deixar de votar em Bolsonaro e aderir a Haddad conta em dobro. Virando 10 milhões de votos, Haddad alcança seu adversário.

Claro, não é tão simples assim. O Datafolha apontou 14% de votos branco, nulo, nenhum e não sabe.

Neste contingente de indecisos e indiferentes, 1 voto convertido vale exatamente 1 voto. Além disso, o número de brancos, nulos e abstenção costuma ser muito mais alto do que os 14% apontados pelo instituto.

Ira como conselheira

Em 2014, quando Dilma Rousseff (PT) derrotou Aécio Neves (PSDB), este índice ficou próximo de um terço do eleitorado (27,4%). Numa eleição, como a de 2018, onde a ira e a rejeição são duas importantes conselheiras, não será espanto se esta percentagem se repetir.

Caso a soma de brancos, nulos e abstenção alcance esta proporção, os 10 milhões de votos citados provavelmente diminuem, já que o cálculo aqui exposto considera os 14% registrados pela pesquisa de intenção de voto do Datafolha. Ou seja, à medida que este percentual ultrapasse os 14% o candidato do PT precisaria reverter menos votos.

De sua parte, Haddad terá que convencer o eleitor de Bolsonaro (que quer mais segurança, menos corrupção, mais respeito aos valores tradicionais cristãos, menos politicamente correto) que o PT é mais capaz do que o PSL. Além disso, precisará torcer por um imenso escorregão do capitão da reserva.

Enfim, a empreitada de Haddad não será fácil. Impossível não é, mas é muito difícil. Enquanto isto, Bolsonaro tem que se concentrar em preservar os votantes que já estão com ele.

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais