politica

A arte de montar grupos e diluir o poder

Imprimir

No Reino Unido dos anos 80, o poder da primeira-ministra Margaret Thatcher era enorme. À medida que ela colocava os sindicatos contra a parede e liderava com desenvoltura uma “reforma liberal” no país, sua fama ultrapassava fronteiras. Seu principal rival político na época era Michael Heseltine. Heseltine foi ministro da Defesa de Thatcher, mas as principais diferenças entre os dois residiam na economia.

Certa vez, em meados de 1985, Thatcher recebeu um membro do parlamento que lidava bem tanto com a primeira-ministra quanto com Heseltine. “Primeira-Ministra, o ministro Heseltine estava com alguns colegas e amigos em sua residência dizendo que a senhora estava cada dia mais fraca, e certamente acabará sozinha este governo.” Thatcher respondeu: “Querido, mal sabe Heseltine que ele não tem amigos. Antes de serem amigos e colegas dele, são meus amigos e meus subordinados.”

Na política não existem amizades, podem existir parcerias que eventualmente se transformam em amizades.

Em Brasília, o mesmo se aplica. No entanto, não há um só político na Praça dos Três Poderes com a força individual de uma Thatcher. Sendo o Brasil um país de relacionamentos e onde os círculos de poder valem mais que a institucionalidade, não devemos nos surpreender com o fato de vários de nossos políticos resistirem ao tempo, a acusações, a boicotes e à rejeição popular. A construção de seus círculos ou, suas “turmas”, é o que muitas vezes define o quão sólido é o poder de um indivíduo sobre o outro.
Lula, por exemplo, tinha Gilberto Carvalho, Palocci (sim, Palocci), José Dirceu, Jaques Wagner entre alguns outros como membros de sua entourage.

Já o atual presidente Michel Temer tem em seu grupo mais próximo, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Elcinho Mouco, Márcio Freitas, Gaudêncio Torquato, Beto Mansur e Romero Jucá como aqueles com quem mais dialoga e os que mais participam de decisões envolvendo o governo.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, também criou um círculo de confiança que aumenta sua capacidade de influência dentro da Câmara dos Deputados. Heráclito Fortes, Orlando Silva, Alexandre Baldy, Benito Gama e José Carlos Aleluia são alguns da “turma” de Maia.

Renan Calheiros é um caso emblemático na habilidade de criar turmas suprapartidárias. Ele sempre sobreviveu justamente por essa capacidade e pela diversidade do primeiro nível de confiança que montou. Não é à toa que Lula já se reaproximou de Renan visando não só a influência que senador ainda tem no Nordeste, mas o apoio de pessoas que “pertencem” ao ex-presidente do Senado. Mesmo que esses tenham votado a favor do impeachment, não fará diferença para o ex-presidente Lula.

Legal e ilegal

Outros nomes, no entanto, por mais que sejam indiscutivelmente forças individuais, não conseguiram ou buscaram ou compreenderam a dinâmica de se diluir parte do poder entre pessoas próximas. Não devemos confundir “não ter uma turma” com ter integridade e “ter uma turma” com a prática da ilegalidade, pois um político pode sempre buscar pessoas fortes e íntegras para compor seu grupo.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, é um que não possui a influência informal ou construiu uma “turma” capaz de aumentar seu poder político perante grupos não ligados a área econômica. Pode ser que esteja formando uma agora ou passe a integrar um grupo já formado.

Dilma é um exemplo interessante. Enquanto ministra, fazia parte do grupo de confiança do presidente Lula. Com a queda de popularidade às portas das eleições de 2014 e a pressão de vários membros do PT para que ela cedesse a vaga para o próprio Lula, Dilma deixou de integrar a “turma” do ex-presidente no início de 2015. Buscou montar a sua própria com Mercadante, Pepe Vargas, Arno Augustin entre outros.

Escala de poder no PMDB

Entre os pemedebistas, a lógica de turmas, feudos ou grupos é mais fácil de ser observada. O ex-presidente José Sarney foi, provavelmente, o fundador da versão moderna dos grupos que existe entre os poderosos em Brasília. Decorrente dele, Renan, Temer, Eduardo Braga (regionalmente), Jader Barbalho, Roberto Requião (regionalmente) e Eunício Oliveira (regionalmente) foram todos capazes de fortalecer-se com base em seus grupos. Para aqueles que conseguiram destaque nacional, mas possuem um poder essencialmente regional, como é o caso de Eduardo Braga, Requião e de Eunício Oliveira, a possibilidade de passar a ter poder nacional diminui, a não ser que passem a integrar o grupo de alguém mais poderoso e influente. Dificilmente liderarão um grupo de projeção nacional, tendo, possivelmente atingido seus ápices na carreira política.

Thatcher nunca viu Heseltine como uma ameaça, pois julgava que a influência dele jamais se materializaria em atos contra ela. Sua visão era de que qualquer um que fosse próximo a ele, era certamente mais próximo dela. Em 1990, na disputa pela liderança do Partido Conservador, foi justamente Heseltine que impediu a vitória de Thatcher.

Naquela situação, Heseltine consegui gerar um alto nível de traição entre aliados de Thatcher que se converteram ao seu lado pouco antes da votação. Por mais que logo depois Heseltine tenha perdido a liderança do partido para John Major, que se tornou primeiro-ministro (e o nomeou vice-primeiro-ministro), ele se sentiu vingado. Nunca formou a sua própria turma, mas destruiu parte da que Thatcher pensava haver formado durante os anos 80.

Publicado na GQ em 13/11/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais