ajuste

Posição honrosa

Imprimir

Consultoria técnica especializada norte-americana fez uma previsão interessante: no ano 2050 a maior economia do mundo será a da China. Em segundo lugar estará a Índia e em seguida, os Estados Unidos. Na quarta colocação aparece a Indonésia e no quinto lugar figura o Brasil. Os quatro primeiros são países do oceano Pacífico. O Brasil é o único representante do Atlântico neste top five.

O estudo vai mais longe e aponta a Rússia em sexto, o México em sétimo, Japão no oitavo lugar. Alemanha e Reino Unido ficam com o nono e o décimo lugares. Definitivamente, com a honrosa exceção dos brasileiros, os países do Atlântico estão perdendo importância.

A Europa, com sua imponência e história, está vendo a banda passar. E a Índia, que já foi colônia inglesa, poderá assumir o papel de matriz. Ela deverá ser o motor da economia britânica.

Previsões são lançadas para confundir, provocar ansiedade e usualmente não resultam em nada de proveitoso. No mais das vezes revelam-se erradas. Essa é interessante porque pega a maré montante da economia internacional.

Os países da área do Pacífico ostentam níveis elevadíssimos de crescimento econômico, com a China à frente. Não se presta muita atenção na Índia por causa de seus desequilíbrios históricos. No entanto, o país apresenta notável desenvolvimento na área de tecnologia, indústria forte e domina o ciclo nuclear. Possui bomba atômica e míssil capaz de lançá-la.

A presença do Brasil em posição de relevo entre os dez maiores surpreende. Será difícil chegar a 2050 com o produto interno bruto ao redor de oito trilhões de dólares. Para efeito de comparação a Argentina figura em 21º lugar na lista ao lado da Austrália. Entre os latinos, o Brasil deverá liderar com tranquilidade.

Mas para que isso aconteça, algumas ações precisam ser adotadas em Brasília e nas principais capitais estaduais do país. O presidente Temer indicou o senador Aloysio Nunes Ferreira para Ministro de Relações Exteriores. Ajuda a este objetivo. O paulista já viveu na Europa, foi exilado em Paris, conhece política e entende o que se passa no planeta. Não é neófito.

Osmar Serraglio, PMDB/PR, é parlamentar escolado, vivido, viajado e veterano de vários mandatos. Tem plenas condições de exercer as funções de Ministro da Justiça. Não é segredo para ninguém que a partir da próxima semana vai começar a pipocar nos noticiários da imprensa trechos das delações premiadas.

Os políticos estão no centro de uma gigantesca frigideira. Alguns não vão escapar. Outros serão chamuscados pela história. Marcelo Odebrecht, terceira geração da família no comando da empresa, transformou-se no acusador geral da República. Ele pagou as contas da política brasileira. Sabe para quem, quando e como.

Especulações em Brasília transitam em diversas variantes, latitudes e longitudes. O presidente Temer naturalmente está contra a parede, porque seus principais auxiliares foram atingidos por doença ou acusações originárias das investigações procedidas pelo pessoal da Lava-Jato.

No entanto, o presidente sabe lidar com o Congresso e mantem folgada maioria nas duas casas. Tem driblado as crises com aparente serenidade. Não se excedeu, não se irritou, nem perdeu a medida das suas obrigações.

Neste sentido, o presidente Temer tem se mantido no nível de seus desafios. Até agora o país caminha em paz apesar dos notórios desentendimentos na área política. O antigo tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, Delúbio Soares, foi condenado, de novo, agora a pena de cinco anos.

Poderá recorrer em liberdade. Mais um nome do PT desaba. A ex-presidente Dilma nega, com veemência, as declarações de Marcelo Odebrecht. Ela melhor faria se ficasse calada. Cada nota oficial sua provoca mais desmentidos e problemas colaterais.

A conjuntura brasileira não é fácil para ninguém. Veteranos ou principiantes. Inquéritos pipocam em todos os quadrantes. Muita gente na linha de tiro, um governo pleno de dificuldades, mas, ao contrário das expectativas nacionais, os estrangeiros, que conhecem bem o Brasil, apostam no país. É contraditório.

Nos últimos cinquenta anos, foi uma das economias que mais cresceu. A modificação da vida no território nacional é notável. Imensas glebas foram incorporadas ao mercado. O agronegócio transformou-se em luminosa realidade, indústrias começaram a produzir em diversos estados brasileiros.

A crise recente, que produziu um desemprego gigantesco, tem explicações objetivas. Obtusidade córnea dos dirigentes. Se o governo não atrapalhar, prepare um bom champanhe para comemorar no réveillon de 2049. É o que dizem os norte-americanos.

Publicado no Correio Braziliense em 03/03/2017

 

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais