eleicoes-2018

Possível condenação de Lula altera o cenário das eleições

Imprimir

A possibilidade de o ex-presidente Lula (PT) ser impedido de disputar as eleições presidenciais de 2018, como consequência de uma condenação no TRF-4, deixa o cenário político ainda mais imprevisível. Essas incertezas afetam não apenas Lula e o PT, mas também atores como o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB-SP). Além deles, partidos que serão cobiçados para alianças passarão a viver um “compasso de espera” até a decisão final sobre o destino político de Lula.

Mesmo desgastado, Lula é hoje o único nome capaz de unir as forças de esquerda. Sem o ex-presidente no páreo, o PCdoB, aliado histórico do PT, poderá apoiar outra candidatura ou então levar adiante a pré-candidatura da ex-deputada federal Manuela D’Ávila (PCdoB-RS). O PSOL, mesmo que Lula saia candidato, acredita que o líder do MTST, Guilherme Boulos, tenha espaço para crescer diante da ausência do ex-presidente. Também não pode ser totalmente descartada a possibilidade de o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa se filiar ao PSB, aliado dos petistas até 2010, e concorrer por esse partido. Ou seja, sem Lula o PT terá grande dificuldade de atrair aliados.

Nova liderança no PT é possível?

A impossibilidade de Lula concorrer também traz outros sérios desafios ao PT. O que fará o partido sem seu grande líder? Apostará numa liderança “nova”, como o ex-prefeito Fernando Haddad (PT), ou abrirá mão de ter candidato próprio e apoiará, por exemplo, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE)? Mesmo que cerca de 20% do eleitorado diga que votaria num candidato indicado por Lula, sua ausência traz o risco de o PT sequer chegar ao segundo turno, transformando-se, quem sabe, num “partido médio”.

Outra questão que ainda precisa ser observada é: sendo Lula condenado ou preso, ele continuaria a se beneficiar da condição de “vítima” ou seu capital político encolheria? Os que mais se animam com a eventual saída de Lula da corrida sucessória são o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE) e a ex-senadora Marina Silva (REDE-AC). Segundo as pesquisas, ambos aumentam sua intenção de voto quando o ex-presidente não aparece na disputa.

Marina, Ciro e Bolsonaro crescem sem Lula

De acordo com o mais recente Datafolha, realizado no fim de novembro, sem Lula o percentual de Marina sobe de 10% para 16%. E o índice de Ciro aumenta de 7% para 12%. Até mesmo o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) se beneficia, com sua intenção de voto crescendo de 18% para 21%.

A ausência de Lula na disputa coloca Bolsonaro na liderança e abre espaço para um enfrentamento entre Marina e Ciro por uma vaga no segundo turno. Chama a atenção que Alckmin segue atrás nesse cenário, com apenas 9%. Mas não são apenas as forças de esquerda que se pulverizam sem Lula. No cenário em que o ex-presidente não é candidato o índice de brancos e nulos sobe de 13% para 25%. Partidos de centro e centro-direita também podem se sentir “seduzidos” a lançar candidaturas próprias, pois com cerca de 15% dos votos válidos será possível sonhar com a ida para o segundo turno.

PSDB em crise

Aliás, não é por acaso que a “Coluna Estadão” revelou, na semana passada, que tucanos insatisfeitos com os rumos do partido não descartam a possibilidade de deixar o PSDB. Esse grupo estaria aguardando os movimentos de PMDB, PP, PSD, PR, PTB e PRB para ver quem será o candidato do governo Michel Temer, e assim tomar uma decisão.

Hoje, despontam como opções o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD); o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), caso se filie ao PMDB ou ao DEM até março (prazo da chamada janela partidária); e até mesmo o senador José Serra (PSDB-SP).

O fato é que a ausência de Lula, somada à força que Jair Bolsonaro possui hoje nas pesquisas e à possibilidade de o governo construir um candidato, traz riscos ao PSDB, que tende a apostar em Geraldo Alckmin. Não à toa recentemente o ex-presidente FHC afirmou que gostaria de derrotar Lula nas urnas. Ou seja, a impossibilidade de Lula concorrer traz desafios importantes para o PSDB, como se posicionar nesse possível novo cenário.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais