dilma

PP preocupa governo

Imprimir

O Partido Progressista (PP), dono de uma bancada com 48 deputados federais, realiza reunião, na quarta-feira (30), com seu presidente nacional, o senador Ciro Nogueira (PB), para acertar o desembarque oficial da base aliada da presidente Dilma Rousseff.

No Palácio do Planalto, o clima é de apreensão. A decisão será tomada na sequência de outra data crucial para as pretensões de Dilma salvar o mandato presidencial: o rompimento do maior partido do Congresso, o PMDB.

Mesmo reconhecendo a divisão dentro da bancada do PP na Câmara, cuja maioria, na prática, já vota contra os projetos de interesse do Planalto, ministros de Dilma acreditam que a saída terá um efeito dominó, fazendo com que outros partidos aliados decidam pelo rompimento.

Provando do próprio veneno

O Partido dos Trabalhadores (PT) vem provando do remédio amargo que aplicou em governos passados, como no caso do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Caciques petistas acreditam que a pressão das ruas dificultam as negociações na Câmara em relação ao impeachment de Dilma Rousseff. Só não sabem como combater a insatisfação da sociedade, que rejeita cada vez mais o governo Dilma. Recente pesquisa do Instituto Datafolha aponta que apenas 10% consideram o governo ótimo ou bom. O porcentual dos que avaliam como ruim ou péssimo chega a 69% dos entrevistados.

Perdendo a esperança

O Palácio do Planalto considera que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não terá força para segurar o apoio do PMDB ao governo Dilma. Por causa do governador de Alagoas, Renan Filho, o presidente do Senado tenta evitar que seu partido rompa com Dilma. Acontece que os diretórios estaduais, um a um, começam a desembarque do governo. Renan pouco pode fazer.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais