clipping-politica-brasileira

Previdência fica para fevereiro

Imprimir

Governo e congresso entram em acordo e decidem deixar para fevereiro de 2018 a votação da Reforma da Previdência. Mesmo com o PSDB fechando questão em apoio à reforma de Michel Temer, o total de 308 votos necessários não foram alcançados. Então o Palácio do Planalto decidiu aguardar o retorno do recesso parlamentar.

A notícia teve efeito imediato no mercado financeiro e o índice Ibovespa teve queda de 1,22%. O dólar também teve fechou em baixa de 0,36%, para R$ 3,317. O dólar à vista teve queda de 0,49%, para R$ 3,314. A repercussão negativa vem do esperado grau de dificuldade para aprovar as mudanças em ano eleitoral.


O Ministro do Planejamento Dyogo Oliveira conversou com jornalistas, sobre a previdência e a recuperação da economia, após participar do fórum “Infraestrutura: investimento e geração de emprego”. Vídeo da TV NBR:

Autofinanciamento de campanha

Congresso derrubou o veto do presidente Michel temer ao artigo que proibia o autofinanciamento ilimitado em campanhas políticas. Segundo o entendimento dos parlamentares isso criaria uma desigualdade onde apenas candidatos ricos seriam beneficiados. Com a derrubada do veto presidencial os limites de financiamento pessoal dos candidatos será o mesmo de pessoas físicas, até 10% da renda bruta do ano anterior. Mas esse limite ainda pode ter de ser resolvido na justiça.

Ainda está em discussão também se as regras serão válidas já em 2018. A promulgação da reforma eleitoral ocorreu em outubro mas a data de derrubada do veto ocorreu somente agora, menos de um ano antes da próxima eleição. Os tetos de campanha continuam sendo: presidente R$70 milhões; governador de R$2,8 milhões a R$21 milhões (a depender da quantidade de eleitores do estado), senador de R$2,5 milhões a R$5,6 milhões; deputado federal R$2,5 milhões e deputado estadual/distrital R$1 milhão.

Joaquim Barbosa ainda está decidindo sobre convite do PSB

Cada vez mais próximo de definir sua candidatura, o ex ministro do STF, Joaquim Barbosa estaria analisando o campo de alianças do PSB e construindo uma pauta de campanha. Lideranças do partido deixaram claro que não haverá prévias no partido mas alertam que a definição da candidatura deve ser acelerada.

“Nós falamos que o tempo da legislação é um e o tempo para fazer política é outro. Se deixar para definir em abril pode ficar tardio”, disse o líder na Câmara, Júlio Delgado (MG).

Com informações do Estadão, Folha e Globo News

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais