clipping-politica-brasileira

Previdência fica para fevereiro

Imprimir

Governo e congresso entram em acordo e decidem deixar para fevereiro de 2018 a votação da Reforma da Previdência. Mesmo com o PSDB fechando questão em apoio à reforma de Michel Temer, o total de 308 votos necessários não foram alcançados. Então o Palácio do Planalto decidiu aguardar o retorno do recesso parlamentar.

A notícia teve efeito imediato no mercado financeiro e o índice Ibovespa teve queda de 1,22%. O dólar também teve fechou em baixa de 0,36%, para R$ 3,317. O dólar à vista teve queda de 0,49%, para R$ 3,314. A repercussão negativa vem do esperado grau de dificuldade para aprovar as mudanças em ano eleitoral.


O Ministro do Planejamento Dyogo Oliveira conversou com jornalistas, sobre a previdência e a recuperação da economia, após participar do fórum “Infraestrutura: investimento e geração de emprego”. Vídeo da TV NBR:

Autofinanciamento de campanha

Congresso derrubou o veto do presidente Michel temer ao artigo que proibia o autofinanciamento ilimitado em campanhas políticas. Segundo o entendimento dos parlamentares isso criaria uma desigualdade onde apenas candidatos ricos seriam beneficiados. Com a derrubada do veto presidencial os limites de financiamento pessoal dos candidatos será o mesmo de pessoas físicas, até 10% da renda bruta do ano anterior. Mas esse limite ainda pode ter de ser resolvido na justiça.

Ainda está em discussão também se as regras serão válidas já em 2018. A promulgação da reforma eleitoral ocorreu em outubro mas a data de derrubada do veto ocorreu somente agora, menos de um ano antes da próxima eleição. Os tetos de campanha continuam sendo: presidente R$70 milhões; governador de R$2,8 milhões a R$21 milhões (a depender da quantidade de eleitores do estado), senador de R$2,5 milhões a R$5,6 milhões; deputado federal R$2,5 milhões e deputado estadual/distrital R$1 milhão.

Joaquim Barbosa ainda está decidindo sobre convite do PSB

Cada vez mais próximo de definir sua candidatura, o ex ministro do STF, Joaquim Barbosa estaria analisando o campo de alianças do PSB e construindo uma pauta de campanha. Lideranças do partido deixaram claro que não haverá prévias no partido mas alertam que a definição da candidatura deve ser acelerada.

“Nós falamos que o tempo da legislação é um e o tempo para fazer política é outro. Se deixar para definir em abril pode ficar tardio”, disse o líder na Câmara, Júlio Delgado (MG).

Com informações do Estadão, Folha e Globo News

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais