previdencia

Previdência depende de Temer, Maia e Centrão

Imprimir

Superada a denúncia, o presidente Michel Temer terá que negociar com sua base a votação das matérias que integram o ajuste fiscal. Ao vencer a votação de duas denúncias na Câmara, Temer deixa evidente sua capacidade de articulação. Porém, é explícita a necessidade de reconstruir o diálogo com a base.

Na votação desta quarta-feira (25) ficou claro o desgaste entre o Planalto e seus aliados. Se considerarmos os principais partidos da base (PMDB, PSDB, DEM, PP, PSD, PR, PTB e PSC), eles deram 74 votos contra o presidente.

Esses 74 votos somados às ausências (11) e abstenções (2) e aos votos que o presidente teve a seu favor (251) totalizam 338 votos. O número é superior aos 308 necessários para aprovar a Reforma da Previdência.

Na avaliação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é difícil aprovar mudanças na Previdência por proposta de emenda à Constituição com a atual base. E está claro que uma Reforma da Previdência ampla não será aprovada no Congresso Nacional na gestão Temer.

Mas alguma mudança é possível. Logo após a votação da denúncia, Maia disse que será preciso focar na idade mínima e na aposentadoria dos servidores públicos.

Maia terá papel fundamental. Durante a votação da denúncia, por exemplo, ele foi muito importante para segurar a sessão e viabilizar o desfecho do assunto. A Arko Advice falou com o relator da Previdência, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), e ele informou que quem irá decidir a Previdência será Rodrigo Maia.

Com relação aos dissidentes, os 23 deputados do PSDB que votaram contra Temer na segunda denúncia têm grandes chances de votar a favor da Reforma da Previdência. Assim como os sete deputados do DEM.

A grande dúvida fica com os dissidentes do Centrão – PSD (18), PR (10), PP (6), PSC (4), PTB (3). O presidente Temer e Rodrigo Maia teriam que abrir intensa negociação com o grupo para convencê-los a aprovar uma reforma mais enxuta, além de outros projetos do ajuste fiscal.

Considerando que resta menos de dois meses para o recesso parlamentar, que começa dia 22, e ano que vem é ano eleitoral, seria importante o governo considerar a hipótese de uma convocação extraordinária em janeiro.

Afinal, a partir de abril, quando muitos ministros, governadores e detentores de cargos nos executivos estaduais e municipais que desejam concorrer às eleições de outubro terão que deixar seus cargos, será muito difícil aprovar temas polêmicos no Congresso.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais