previdencia

Um Houdini no Planalto? Michel Temer terá que fazer mágica

Imprimir

Em 1911, o mágico húngaro-americano Harry Houdini executou sua “mágica” mais inusitada até aquele momento. Um animal – que até hoje não se sabe exatamente o que era – surgiu no litoral do estado de Massachussetts. Com mais de 650 quilos, já estava em decomposição. Era visualmente grotesco e gerava ânsias de vômito em quem chegava perto. No auge de sua fama, o célebre ilusionista entrou no estômago do bicho algemado e com as pernas presas. O monstro, coberto de correntes, fedia como nunca, levando a plateia de 1500 espectadores a nausearem enquanto observavam o feito.

Sendo Houdini, o desfecho não poderia ter sido outro senão o sucesso. Apesar de quase falecer envenenado no estômago da besta, o genial mágico conseguiu sair, para delírio daqueles poucos, mas animados curiosos (e jornalistas, claro) que já estavam esperando o pior. Foi muito aplaudido.

A mágica independe do aplauso

Brasília está muito distante de ser a Boston onde Houdini apresentou uma de suas mais inesperadas “mágicas”, no entanto, várias similaridades podem ser encontradas. Certamente o presidente Michel Temer não é nenhum Houdini em termos de popularidade, porém, já demonstrou que consegue executar algumas “mágicas” além da expectativa e da torcida de grande parte da plateia que o assiste. A aprovação do teto dos gastos pode ser considerada uma delas. A Reforma da Previdência é o que mais se aproximaria do evento da praia de Massachussetts em 1911, em termos de ousadia para um governo que se encontra com a popularidade baixíssima.

Popularidade baixa ou alta não importa para que um objetivo, mágico ou não, seja logrado. A plateia de 1911 era o fator menos importante para que Houdini conseguisse sair de dentro do estômago daquele bicho gigante e em estado de decomposição. A plateia podia vaiar ou aplaudir, mas isso não afetaria como ele se libertaria das dificuldades que ele se autoimpôs.

Não é preciso muita criatividade para ver nesse monstrengo gigante, putrefato e curioso o Congresso brasileiro que temos hoje. Justiça seja feita, alguns nomes no nosso Parlamento se salvam e, corretamente deverão discordar desta comparação, mas não é assim que a plateia que observa Brasília os enxerga. Como Houdini, Temer entra com as mãos e pernas algemado no “estômago do animal” para tentar o que muitos consideram impossível – aprovar a Reforma da Previdência.

Reforma da Previdência: maioria acredita que não será aprovada

Em pesquisa inédita da Arko Advice, realizada na segunda quinzena de outubro, os indícios de que o presidente terá mais dificuldades do que o mito do ilusionismo teve naquela situação são marcantes. Hoje, 78,77% dos parlamentares acreditam que o Presidente não conseguirá aprovar a Reforma da Previdência; 16,04% afirmam que sim e apenas 5,19% dizem que não sabem.

Dos 23 representantes do PMDB, 15 acham que a reforma não será aprovada nesta gestão; cinco acreditam que sim e três não sabem. No PSDB, dos 17 entrevistados 12 avaliam que não e cinco têm uma visão mais otimista.

Em relação ao que pode ser aprovado, uma maioria de 64,63% afirmou que não sabia ou não respondeu. Para apenas 16,98%, um tema relevante da reforma surge como um dos itens que deverão ser aprovados: idade mínima. A aprovação do texto na Comissão Especial é esperada por apenas 3,30%.

Planalto pretende enviar projeto após votação da denúncia

A expectativa do Planalto é que a reforma seja encaminhada após a votação da segunda denúncia que está prevista para o dia 25 de outubro. Tal comportamento otimista resulta na aposta de que muitos dos que se posicionaram entre os 78,77% visam expressar pessimismo para aumentar seu poder de barganha nas negociações com o governo. Há também a possibilidade, baseada em histórico verdadeiro, de que a decisão de um parlamentar de votar a favor ou contra um tema como a Reforma da Previdência dependerá de como seus colegas se posicionarão no dia da votação e principalmente quem estará coordenando articulação política do Planalto.

Não sabemos se Houdini carregou uma, duas ou dez chaves escondidas em algum lugar do seu corpo ao entrar naquele monstro marinho. Também não sabemos se alguém já havia deixado o material necessário para o escape de dentro do animal. O que sabemos é que algo foi feito e algo aconteceu naquele estômago repleto de gases venenosos e fedorentos que o possibilitou libertar-se das dificuldades autoimpostas.

O mito foi criado e engrandecido após um ato considerado impossível (e extremamente inusitado) até então. Certamente o que ocorrer em Brasília, pelo sim ou pelo não, não criará um mito sequer perto do que Houdini foi, mas não deixará de ser um feito. No mínimo demonstrará que no estômago da fera que é o Congresso Nacional, a sensação é de indigestão perante a Reforma da Previdência.

Publicado na GQ Brasil.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais