ajuste

Remédio amargo, porém necessário

Imprimir

A elevação do PIS/Cofins sobre os combustíveis anunciada na última quinta-feira (20) reforça o temor do governo de fechar o ano com um rombo nas contas públicas ainda maior que os R$ 139 bilhões previstos. O aumento do tributo, que deve gerar R$ 10,2 bilhões, veio acompanhado de um corte orçamentário de R$ 5,9 bilhões.

O relatório de avaliação de receitas e despesas do terceiro bimestre apontou uma frustração de receitas da ordem de R$ 5,8 bilhões. A queda contabiliza reduções de arrecadação decorrentes da baixa expectativa com a segunda fase da repatriação de recursos mantidos no exterior e também das reestimativas de ganhos com a reoneração da folha de pagamentos das empresas e do Refis.

Essas duas últimas fontes de receita estão previstas em medidas provisórias (774 e 783) em análise no Congresso Nacional, cujos conteúdos foram alterados pelos parlamentares de forma a diminuir sobremaneira a previsão inicial de arrecadação.

Além do aumento do PIS/Cofins e do contingenciamento orçamentário, o governo visa compensar as perdas com o saque de R$ 10,2 bilhões em precatórios não resgatados pelos credores há mais de dois anos, autorizado por lei aprovada recentemente pelo Congresso. Há ainda a expectativa de ingresso de recursos oriundos de concessões/vendas de ativos.

O reajuste do imposto foi milimetricamente estudado para gerar o menor custo político e econômico possível. Ao optar pelo PIS/Cofins, o governo levou em conta a faculdade de poder alterar as alíquotas via decreto, decisão que não necessita passar pelo crivo do Congresso e evita indisposições com os parlamentares nesse momento em que a Câmara dos Deputados analisa a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer.

Além disso, com a nova política de preços da Petrobras, os combustíveis vinham em queda e, segundo a equipe econômica, o aumento terá impacto limitado na inflação. O efeito arrecadatório é imediato, já que a correção não se submete ao princípio da anterioridade.

A reação do setor produtivo e da sociedade foi dura e imediata. No entanto, diante do quadro atual, a escolha foi a menos traumática para o governo. A disposição de absorver as críticas se apoia no temor de descumprir a meta fiscal estabelecida para 2017.

Recentemente, o Instituto Fiscal Independente, órgão vinculado ao Senado Federal, apresentou relatório em que projeta um déficit fiscal de R$ 144 bilhões no ano. Ou seja, R$ 5 bilhões a mais que o previsto. A perspectiva de um rombo maior é compartilhada por vários analistas de mercado.

A se confirmar esse quadro, o governo não terá outra saída a não ser mudar a meta fiscal para ampliar o saldo negativo. O que seria uma medida altamente desgastante e certamente colocaria em xeque sua capacidade de realizar o ajuste das contas.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais