estados

Rodrigo Maia, potencial candidato a governador do Rio

Imprimir

A folgada vitória do deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) na eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, além de colocá-lo como o primeiro da linha sucessória, assumindo o comando do país sempre que o presidente da República, Michel Temer (PMDB), estiver fora do Brasil, o possibilita sonhar com o Palácio Guanabara nas eleições de 2018.

Responsável pelo controle da pauta da Câmara, Rodrigo Maia ocupará um espaço de destaque na agenda política nacional, sobretudo no debate das reformas previdenciária e trabalhista, prioridades do governo Temer.

O espaço que Maia ocupará somado ao desgaste das principais lideranças políticas do Rio de Janeiro, coloca, naturalmente, o presidente da Câmara como um potencial candidato a governador no próximo ano. Outra alternativa para o deputado do DEM é disputar uma cadeira no Senado Federal.

Embora o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes (PMDB) também esteja na bolsa de apostas como um provável candidato a governador, pesa contra ele o desgaste vivido por seu partido no Estado. Mesmo que Paes saia do PMDB, será inevitável a associação de seu nome com o atual governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) na disputa eleitoral do próximo ano. Outro nome sempre cotado, o ex-governador Anthony Garotinho (PR) também está com sua imagem bastante comprometida.

Pelo lado da oposição, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) também é uma alternativa. Porém, o desgaste do PT é um fator que deve dificultar suas chances eleitorais numa disputa para governador. Assim, o mais provável é que Lindbergh opte por uma reeleição ao Senado.

Ainda no campo da esquerda, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), que chegou ao segundo turno na eleição para prefeito do Rio em 2016, perdendo para o atual prefeito Marcelo Crivella (PRB), também é um potencial candidato ao Palácio Guanabara. Porém, a postura radical do PSOL é um fator negativo.

Diante desse cenário, Rodrigo Maia tem boas possibilidades de ocupar um espaço que está vago na política fluminense. Além do protagonismo que terá como presidente da Câmara, Maia possui posicionamentos ideológicos liberais, sintonizados com o avanço desses valores em parcela expressiva da opinião pública.

Além disso, poderá atrair votos também da esquerda menos ortodoxa, pois nasceu no Chile, onde seu pai, o vereador e ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM), que pertenceu ao Partido Comunista e depois passou pelo PDT do falecido ex-governador Leonel Brizola, estava exilado na época da ditadura militar.

Caso a projeção nacional de seu nome se mantenha, Rodrigo Maia juntamente com o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), provável candidato a governador da Bahia em 2018, representarão também uma importante renovação geracional no DEM.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais