eleicoes-2018

Pesquisa aponta Dória como candidato tucano mais forte

Imprimir

Pesquisa elaborada pelo Instituto Paraná Pesquisas, sob encomenda da Jovem Pan, apresentou um panorama dos eleitores paulistas para a eleição presidencial de 2018. A pesquisa teve uma amostragem de 2.035 pessoas, e foi realizada na cidade de São Paulo.

Foram criados três cenários para as eleições presidenciais. O primeiro cenário conta com João Doria (PSDB), Lula (PT), Jair Bolsonaro (PSC) e Marina Silva (Rede). A segunda composição coloca Geraldo Alckmin como candidato do PSDB, concorrendo com Lula, Bolsonaro e Marina. E a terceira opção traz Aécio Neves como representante tucano na disputa.

Na primeira simulação Dória ficou com 26,3%, com Lula em segundo com 15,2% das intenções de voto. Bolsonaro e Marina ficariam em um empate técnico pelo terceiro lugar com 12,2% e 11,6% respectivamente.

A composição com Alckmin na disputa mostra o governador paulista com 24,6%, Lula fica com 14,5%, Bolsonaro em terceiro, com 13,6% e Marina com 10,2%.

O terceiro cenário é o único sem um tucano na liderança. Nesse caso, Lula aparece com 15,8%, seguido de Bolsonaro com 14,3%. Marina sobe em relação às outras simulações e chega a 12,5% e Aécio fica com 11,9% das intenções de voto.

Aécio está fora da corrida presidencial

A pesquisa também buscou medir a preferência entre os candidatos tucanos. Dória foi o mais popular com 32,5%, enquanto Alckmin ficou em segundo com 23,6%. O senador José Serra detém 10,4% das intenções dos eleitores paulistas e Aécio Neves 7,1%. Outro nome citado foi Beto Richa, governador do estado do Paraná, com menos de 1%.

Analisando os resultados obtidos, nota-se um fortalecimento do argumento de que João Dória seria o candidato com a maior força para enfrentar Lula nas eleições de 2018. Vale também avaliar que Dória está na frente de Alckmin na preferência dos entrevistados.

Outra conclusão é que Aécio Neves está fora da corrida presidencial de 2018. Os recentes escândalos afetaram o senador mineiro e podem também atrapalhar até mesmo uma reeleição de Aécio para o Senado.

Jair Bolsonaro e Marina Silva devem brigar pelo terceiro lugar no pleito, com uma tendência para que Marina leve vantagem sobre Bolsonaro em meio aos debates da próxima eleição. Quem tiver uma menor rejeição nos debates, deve conseguir conquistar o eleitorado da “terceira via”.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais