brasil

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro

Imprimir

Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

* Leia também: Eleito presidente, Bolsonaro deve agradecer ao PT [https://arkonews.com.br/eleito-presidente-bolsonaro-deve-agradecer-ao-pt/]

No novo cargo, o hoje magistrado irá cuidar diretamente de 2 dos 3 esteios do futuro governo: combate à corrupção, sua especialidade, e repressão à violência. Nada impede, porém, que se avance sobre o terceiro esteio bolsonarista: o resgate dos valores e costumes tradicionais.

Depois de prender Lula, o maior líder popular da história do Brasil ao lado de Getúlio Vargas, e interferir diretamente nas eleições de 2018, Moro deve ter percebido que nada de mais grandioso poderia fazer caso se mantivesse na 1ª instância do Judiciário. Como juiz, ganhou fama internacional ao liderar a Lava-Jato.

Como ministro, ao lado de Bolsonaro, também alvo das atenções globais, o juiz poderá ir mais longe. Se sua disposição de prender corruptos de colarinho branco e abater marginais for genuína e se tornar efetiva, a dupla Moro & Bolsonaro poderá mudar a cara do cenário político brasiliano.

A partir de 1º de janeiro, os brasileiros que elegeram Bolsonaro querem ver meliantes do erário, assassinos e estupradores presos – noves fora, os que querem todos mortos. Resta saber se a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, tem espaço suficiente para dois egos do tamanho da nova dupla dinâmica da política brasileira.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais